Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.178,05
    -1.063,59 (-0,88%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.611,40
    -846,62 (-1,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,98
    +0,62 (+1,18%)
     
  • OURO

    1.839,60
    +9,70 (+0,53%)
     
  • BTC-USD

    36.663,23
    +221,50 (+0,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    724,39
    +9,19 (+1,29%)
     
  • S&P500

    3.803,63
    +35,38 (+0,94%)
     
  • DOW JONES

    30.980,44
    +166,18 (+0,54%)
     
  • FTSE

    6.712,95
    -7,70 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.642,28
    +779,51 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    28.633,46
    +391,25 (+1,39%)
     
  • NASDAQ

    12.987,25
    +185,00 (+1,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4762
    +0,0809 (+1,26%)
     

Desemprego bate novo recorde e atinge 14 milhões, diz IBGE

DIEGO GARCIA
·2 minuto de leitura
Unemployed people look for job opportunities at a governmental workers service department (CAT) in Sao Paulo, Brazil, on June 11, 2019. - The number of people who have been unemployed for over two years in Brazil reached 3,3 million in the first trimester of 2019, which increased 42,4% in the last four years, according to the Institute of Applied Economic Investigation (Ipea). (Photo by NELSON ALMEIDA / AFP)        (Photo credit should read NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images)
(Foto: Getty Images)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O desemprego bateu novo recorde em novembro, atingindo 14 milhões de brasileiros, de acordo com dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quarta (23).

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News


A taxa de desocupação chegou a 14,2%, o maior percentual da série histórica da Pnad Covid, pesquisa do IBGE iniciada em maio para mensurar os efeitos da pandemia no país.

Desde maio, aumentou em 4 milhões o número de brasileiros desempregados, um aumento de aproximadamente 40%.

Embora a taxa registrada em novembro seja recorde, houve estabilidade na comparação com outubro, quando o percentual foi de 14,1%.

Especialistas ouvidos pela Folha já alertavam que o número de desocupados poderia aumentar, na medida que o auxílio emergencial pago pelo governo fosse chegando ao fim e o distanciamento social diminuísse.
A pesquisa aponta também uma queda no número de pessoas em isolamento social rigoroso. Em outubro, o númro alcançou o menor patamar da série histórica (23,5 milhões). Em outubro, eram 26,2 milhões nessa situaçao.

Na primeira edição da pesquisa, de maio, eram 49,2 milhões.

Por outro lado, aumentou a quantidade de brasileiros que não dizem não adotar restrições para conter o avanço da Covid-19. Pela primeira vez, esse contingente ultrapassou a marca dos 10 milhões de pessoas, chegando a 10,2 milhões. Em maio, esse grupo representada 4,1 milhões de pessoas.

Com o relaxamento das medidas restritivas até novembro, a população ocupada também subiu e, pela primeira vez, registrou alta na comparação com maio em números absolutos (de 84,7 milhões em novembro frente 84,4 no início da pandemia).

Com a expansão do número de ocupados e desocupados, a força de trabalho cresceu 4,4% na comparação com maio.

A pesquisa também mostrou que 28,6 milhões de pessoas fizeram algum teste para a Covid-19 até o mês de novembro. Desse montante, 6,5 milhões tiveram resultados positivos para a doença.

Os dados da Pnad Covid não podem ser comparados à Pnad Contínua, por uma diferença de metodologias.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube