Mercado abrirá em 5 h 8 min
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,66
    +1,16 (+1,89%)
     
  • OURO

    1.755,40
    +26,60 (+1,54%)
     
  • BTC-USD

    46.073,74
    +1.346,56 (+3,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    920,36
    -12,77 (-1,37%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    29.447,96
    +467,75 (+1,61%)
     
  • NIKKEI

    29.663,50
    +697,49 (+2,41%)
     
  • NASDAQ

    13.113,75
    +202,75 (+1,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7607
    +0,0024 (+0,04%)
     

Desempregados na Espanha se aproximam dos 4 milhões em meio a impacto da pandemia

·1 minuto de leitura
Pessoas esperam atendimento em posto de emprego do governo em Madri em meio à pandemia de coronavírus

MADRI(Reuters) - O número de pessoas registradas como desempregadas na Espanha aumentou pelo quarto mês consecutivo em janeiro para 3,96 milhões, já que as restrições para conter novos surtos da Covid-19 continuavam a limitar a atividade.

Isso marcou um salto de 1,96% em relação a dezembro, mostraram dados do Ministério do Trabalho do país nesta terça-feira.

Quase 40 mil empregos foram criados em janeiro de acordo com dados ajustados da Previdência Social, mas, excluindo o efeito calendário, 219 mil vagas foram fechadas, com um total de pouco mais de 19 milhões de trabalhadores registrados no órgão.

O desemprego continuou a ser contido em comparação com a crise financeira global de uma década atrás, em parte graças a um esquema de licenças da Espanha.

(Por Anita Kobylinska e Belén Carreño)