Mercado fechará em 4 h 36 min
  • BOVESPA

    119.452,97
    -193,43 (-0,16%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,98
    -0,33 (-0,62%)
     
  • OURO

    1.862,90
    -3,60 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    31.889,38
    -1.612,71 (-4,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    634,42
    -66,19 (-9,45%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.744,58
    +4,19 (+0,06%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,71 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,60 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.327,50
    +33,25 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4291
    +0,0211 (+0,33%)
     

Desembargador suspende bloqueio de R$528 mi de empresas da J&F

Rodrigo Viga Gaier
·1 minuto de leitura

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O desembargador da 11ª Câmara Cível do Rio de Janeiro, Cesar Cury, suspendeu o bloqueio de 528 milhões de reais de empresas da holding J&F Investimentos determinado no começo do mês a pedido do Ministério Público do Rio de Janeiro.

A suspensão ocorreu na sexta-feira. Segundo o desembargador "as empresas são sociedades em plena operação e possuem lastro patrimonial suficiente ao resguardo do valor apontado... e que não há indicativo de prejuízo imediato ao Estado".

A holding J&F Investimentos teve os 528 milhões de reais bloqueados em uma ação em que é acusada de receber incentivos fiscais em troca de pagamento de doações financeiras a campanhas de políticos ligados ao ex-governador Sérgio Cabral, informou o Ministério Público.

A decisão de bloqueio foi da 15ª Vara de Fazenda Pública do Rio. Os valores estavam distribuídos entre Seara (210,7 milhões de reais), Vigor (137,6 milhões), Dan Vigor (137,6 milhões) e JBS (43,2 milhões).

Segundo o Ministério Público, o grupo se aproximou de políticos ligados a Cabral para conseguir vantagens, como benefícios fiscais, passando a "usufruir de vantagens fiscais que causaram graves prejuízos ao erário". Em troca, o conglomerado fez em 2014 doação para a campanha de aliados políticos de Cabral, preso em 2016 e condenado a mais de 300 anos de prisão.

Na sentença, o desembargador relatou que o bloqueio dos recursos das empresas fica suspenso até a análise do agravo.

"Não há indicativo de prejuízo imediato ao Estado pela suspensão da ordem de constrição, medida que pode ser revertida no julgamento...deve-se conceder o efeito suspensivo pretendido, sendo a presente decisão passível de reversão até o julgamento do agravo", escreveu o desembargador.