Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.865,90
    -50,40 (-2,63%)
     
  • BTC-USD

    23.436,18
    +32,17 (+0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Carro de Fórmula 1 pode custar até R$ 763,8 milhões em 2022

Disputa na Fórmula 1 exige automóveis de alto padrão (Getty Image)
Disputa na Fórmula 1 exige automóveis de alto padrão (Getty Image)
  • O teto é de US$ 145,6 milhões (R$ 763,8 milhões) para 2022

  • Apenas os veículos gastam mais da metade do valor

  • Carros utilizam peças que encarecem a produção

Não é novidade alguma que participar da Fórmula 1 exige uma grande quantidade de recursos financeiros. Na temporada 2022 da F1, a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) estabeleceu um orçamento limite de quanto cada equipe poderá gastar.

Neste ano, o teto é de US$ 145,6 milhões (R$ 763,8 milhões). O valor estipulado inclui desde viagens até o desenvolvimento e produção do veiculo. A decisão da organização não foi bem recebida pelas equipes. Isso porque os automóveis de corrida utilizam cerca de 14.500 peças, sendo que o valor de produção de cada uma delas não é baixo.

Uma pesquisa realizada pelo AutoEsporte mostra os valores gastos pela Red Bull, dona da Red Bull Racing, atual campeã da competição com o piloto Max Verstappen.

No carro, apenas o volante custa cerca de US$ 50 mil (R$ 261 mil), enquanto as as asas dianteira e traseira exigem cerca de US$ 200 mil (R$ 1,1 milhão).

Nos veículos da F1, o otor e câmbio são os componentes mais caros. Juntos, somam US$ 10,5 milhões (R$ 55 milhões). Quando todas as peças são montadas, o automóvel chega a custar US$ 15 milhões (R$ 78,5 milhões)

Na competição, a equipe pode produzir até três carros por piloto. Na consta final, os seis carros totalizam o valor de US$ 90 milhões, ou R$ 469,2 milhões. Só isso já compromete mais da metade do orçamento liberado para o ano. O valor dos componentes é justificado pela qualidade dos materiais e dos dispositivos de segurança desenvolvidos para cada corrida,