Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.108,30
    -56,61 (-0,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Descoberta de ligação com um vírus traz esperança de uma melhor resposta à esclerose múltipla

Especialistas em esclerose múltipla dizem que a recente descoberta de uma ligação entre a doença e o vírus Epstein Barr oferece esperança de uma resposta melhor, antes do Dia Mundial da Esclerose Múltipla na próxima segunda-feira (30).

Os tratamentos, que visam bloquear a inflamação, "progrediram muito nos últimos dez anos", e o acompanhamento dos pacientes é "mais individualizado", explica à AFP o neurologista Jean Pelletier, da fundação francesa Arsep (Ajuda à Pesquisa da Esclerose Múltipla).

Segundo ele, novos avanços podem surgir de uma descoberta particularmente importante, feita em janeiro por pesquisadores americanos, que destaca a necessidade da presença do vírus Epstein Barr para o desenvolvimento da esclerose múltipla, embora nem todas as pessoas infectadas a desenvolvam.

Esta é uma doença autoimune do sistema nervoso central (cérebro e medula espinhal).

Causa um distúrbio do sistema imunológico, que ataca a mielina, a bainha protetora das fibras nervosas. Muitas vezes, causa surtos inflamatórios intercalados com fases calmas.

A doença varia muito de um paciente para outro, mas pode produzir sequelas e é uma das causas frequentes de deficiências em adultos jovens. Estima-se que mais de 2,8 milhões de pessoas sejam afetadas por esta doença autoimune em todo o mundo. Crianças e adolescentes continuam sendo a minoria dos casos, mas a doença pode ter começado muito antes de ser diagnosticada.

A descoberta de uma ligação com o vírus Epstein Barr, que afeta 95% dos adultos e é a causa de outras doenças, como a mononucleose, sugere que a maioria dos casos de esclerose múltipla poderia ser prevenida interrompendo a infecção por esse patógeno.

Além de "uma melhor compreensão do que pode entrar em jogo nesta doença multifatorial", o estudo "supõe que a esclerose múltipla poderia ser prevenida se as crianças fossem vacinadas contra o vírus Epstein Barr, sabendo que por enquanto não há vacina disponível ", de acordo com o professor Pelletier.

ic/jdy/cel/tes/pz/mab/zm/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos