Mercado fechará em 5 h 3 min
  • BOVESPA

    111.501,31
    -422,62 (-0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,45
    +2,47 (+3,09%)
     
  • OURO

    1.806,20
    -3,40 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    17.249,04
    +307,86 (+1,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    408,67
    +7,25 (+1,81%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.586,67
    +30,44 (+0,40%)
     
  • HANG SENG

    19.518,29
    +842,94 (+4,51%)
     
  • NIKKEI

    27.820,40
    +42,50 (+0,15%)
     
  • NASDAQ

    11.947,75
    -62,50 (-0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5331
    +0,0391 (+0,71%)
     

Descoberta há 140 anos, bactéria da tuberculose matou 1,6 mi de pessoas em 2021

Após queda de notificações provocada pela pandemia da covid-19, o número de casos e mortes por tuberculose volta a aumentar em todo o mundo. É o que aponta o relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) referente ao ano de 2021. Nos últimos 12 meses, foram estimados 10,6 milhões de caso da infecção causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis.

Hoje, a tuberculose é considerada a segunda doença infecciosa mais mortal do planeta, sendo que a primeira continua a ser a covid-19. Ambas as doenças afetam o pulmão e podem ser prevenidas com vacinas, mas a principal diferença é o tipo de agente causador. Afinal, a tuberculose é uma doença bacteriana e, nos últimos anos, a resistência aos antibióticos tradicionais tem dificultado o tratamento.

Casos e mortes por tuberculose no mundo

Casos e mortes por tuberculose estão em alta no mundo, segundo OMS (Imagem: Alissa Eckert/James Archer/CDC)
Casos e mortes por tuberculose estão em alta no mundo, segundo OMS (Imagem: Alissa Eckert/James Archer/CDC)

Em 2021, a OMS estima que 10,6 milhões de pessoas tiveram tuberculose no globo. Isso representa um aumento de 4,5% em relação ao ano de 2020. Desse total, 1,6 milhão de pacientes morreram em decorrência da infecção bacteriana, sendo que 187 mil conviviam com o HIV.

A partir das análises da OMS, é possível observar o aumento de 3% nos casos da doença que são resistentes ao tratamento. Nos últimos 12 meses, 450 mil casos de resistência ao antibiótico rifampicina foram notificados.

Perfil da infecção bacteriana

A maioria das pessoas que contraem a doença têm mais de 18 anos. Segundo os dados do último relatório, os homens representam 56,5% dos casos de tuberculose. Enquanto isso, as mulheres correspondem a 32,5%. Apenas 11% dos casos estão relacionados com as crianças.

Para novos casos de tuberculose, existem cinco principais fatores de risco:

  • Subnutrição;

  • Infecção pelo vírus HIV;

  • Transtornos relacionados ao uso de álcool, como alcoolismo;

  • Tabagismo;

  • Diabetes.

Conforme reforça a OMS, "a tuberculose é evitável e curável. Cerca de 85% das pessoas que desenvolvem a doença podem ser tratadas com 4 a 6 meses de medicamentos. O tratamento tem o benefício adicional de reduzir a transmissão da infecção". Apesar disso, a terapia ainda não está disponível para todos.

Fato curioso — e triste — sobre a doença é que, neste ano, o mundo celebrou os 140 anos da descoberta da bactéria, que segue letal para muitos indivíduos e países. Foi em março de 1882 que o médico alemão Robert Koch revelou a origem daquela doença que afetava os pulmões, até então, de origem desconhecida.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: