Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.251,49
    -1.400,40 (-3,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Desastre glacial que atingiu a Índia não deve ser o último, dizem especialistas

Natalie Rosa
·2 minuto de leitura

Na semana passada, uma explosão glacial na Índia provocou uma terrível enchente no Himalaia, e cientistas já alertam para um novo evento do tipo. De acordo com especialistas, o desastre deve acontecer novamente, pois a região está transformada devido às mudanças climáticas.

A Ásia conta com alguns dos maiores cursos de água do mundo, desde a Índia até a China, que percorrem milhares de quilômetros. Essas águas também são fonte de renda de diversos pescadores e agricultores, além de fornecer água potável a bilhões de pessoas. Porém, com os efeitos das mudanças climáticas, os rios estão encolhendo a cada vez mais, o que não só prejudica o consumo de água como também aumenta os riscos de deslizamentos e alagamentos.

<em>Imagem: Reprodução/Avalok Sastri/Pixabay </em>
Imagem: Reprodução/Avalok Sastri/Pixabay

Além dos impactos climáticos, os rios estão sob a ameaça das construções de barragem e da poluição, com o despejo de dejetos sólidos e líquidos, e também da mineração de pedra e de areia. No desastre da semana passada, a explosão glacial formou uma parede d'água que atingiu um vale, destruiu pontes, estradas e atingiu duas usinas hidrelétricas, deixando dezenas de pessoas mortas e mais de 170 desaparecidas.

Ainda não há uma confirmação sobre o que provocou o desmoronamento da geleira, mas as suspeitas estão relacionadas à construção de projetos hidrelétricos em regiões vulneráveis a terremotos. Se a suposição for confirmada, os especialistas saberão que não houve um planejamento adequado, tampouco uma avaliação de impacto e geológica.

Não é de hoje que especialistas vêm alertando sobre os impactos das mudanças climáticas no Himalaia, com pesquisas mostrando que as barreiras de gelo estão derretendo mais rápido desde a virada do século. Esse derretimento acaba prejudicando a qualidade de vida das pessoas da região, que ficam sem água e agricultura, além de colocar suas vidas em risco.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: