Mercado abrirá em 3 hs
  • BOVESPA

    128.057,22
    -1.202,27 (-0,93%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.202,80
    -376,30 (-0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,67
    -0,37 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.792,40
    +17,60 (+0,99%)
     
  • BTC-USD

    37.548,27
    -1.925,18 (-4,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    930,22
    -39,66 (-4,09%)
     
  • S&P500

    4.221,86
    -1,84 (-0,04%)
     
  • DOW JONES

    33.823,45
    -210,22 (-0,62%)
     
  • FTSE

    7.120,04
    -33,39 (-0,47%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.199,25
    +33,75 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9754
    +0,0129 (+0,22%)
     

Desamparo! Adolescentes relatam consequências psicológicas da pandemia

·1 minuto de leitura

A pandemia de COVID-19 tem sido responsável por muitos impactos no psicológico da população. E com os mais jovens, isso não é diferente, com consequências de longo prazo na mira.

Com isso em mente, o jornal britânico The Guardian buscou relatos de jovens de 16 a 25 anos de diferentes lugares da Europa, almejando entender as cicatrizes deixadas pela pandemia. No geral, esse público demonstrou profunda ansiedade sobre seu futuro e desestabilização da saúde mental, da educação e das perspectivas de emprego.

Com a pesquisa, ficou mais claro que essa geração foi atingida desproporcionalmente pela maior interrupção educacional da história moderna, um aumento no desemprego e os efeitos psicológicos do isolamento. O estudo mostra que 64% dos jovens participantes têm risco de depressão, sendo que antes da pandemia de COVID-19, esse total era apenas de 15%. E segundo uma estimativa da União Europeia, para os jovens dos 18 aos 29 anos, a situação é ainda pior, e mulheres de 18 a 24 anos registraram os níveis mais baixos de bem-estar mental.

(Imagem: Fernando Cferdo/Unsplash)
(Imagem: Fernando Cferdo/Unsplash)

Os entrevistados relataram que a crise da COVID-19 os deixou impacientes por mudanças sistêmicas e determinou que sua geração criaria sociedades mais solidárias no futuro. Outros revelaram que longos períodos de isolamento os fizeram entender a necessidade de interações humanas genuínas. Mas, por enquanto, o impacto da ansiedade, solidão, estresse acadêmico e insegurança crônica é transmitido em termos esmagadores.

Muitas das respostas refletem o temor de que, embora enfrentem o mercado de trabalho mais precário das últimas décadas, os jovens terão que lidar com os rastros de longo prazo deixados pela pandemia.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos