Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.552,44
    +12,44 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.669,25
    +467,45 (+1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,81
    -0,22 (-0,55%)
     
  • OURO

    1.924,70
    -4,80 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    12.874,83
    +1.817,82 (+16,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    257,72
    +12,83 (+5,24%)
     
  • S&P500

    3.435,56
    -7,56 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    28.210,82
    -97,98 (-0,35%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.754,42
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    23.506,24
    -60,76 (-0,26%)
     
  • NASDAQ

    11.634,50
    -56,75 (-0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6510
    +0,0010 (+0,02%)
     

Desafio agora é ser competitivo em preço para atrair clientes, diz presidente da Latam

Cibelle Bouças
·2 minutos de leitura

“Já choramos muito como indústria. Agora é tempo de olhar para frente", afirma o presidente da Azul As companhias aéreas Gol, Latam, Azul e VoePass informaram hoje que a demanda por voos cresce semana após semana no país. Mas ponderaram que a oferta ainda é maior que a demanda e os preços das passagens aéreas estão mais baixas do que antes da pandemia. Com isso, as empresas aéreas enfrentam um desafio de rentabilidade. “Já choramos muito como indústria. Agora é tempo de olhar para frente. Infelizmente perdemos muito dinheiro. Agora é necessário encher os hotéis, encher os voos, recuperar o PIB [Produto Interno Bruto]”, afirmou John Rodgerson, presidente da Azul. “O primeiro desafio na crise foi de liquidez, o que levou as empresas a renegociar contratos e reduzir custos. No caso da Latam, a companhia tomou a decisão de entrar em recuperação judicial. Conseguimos aprovação para um financiamento de US$ 2,45 bilhões, o que nos dá liquidez para entrar numa segunda fase. O desafio daqui para frente é de competitividade”, afirmou Jerome Cadier, presidente da Latam Brasil. Jerome Cadier, presidente da Latam, vê desafio de competitivade Ana Paula Paiva/Valor O executivo observou que há um excesso de capacidade no setor aéreo brasileiro e mundial. E as empresas têm adotado preços mais baixos para estimular as pessoas a voltarem a voar. “Nessa segunda fase, as empresas precisam ser muito eficientes para desempenhar um nível de preço que vá acelerar a demanda por passagens nacionais e internacionais”, acrescentou Cadier. “A demanda está voltando. O que falta a todos agora é gerar receita”, afirmou Paulo Kakinoff, presidente da Gol. O executivo citou o feriado de 7 de setembro como um divisor de águas para o setor aéreo. “Acredito que o setor teve no fim de semana do 7 de setembro uma demanda equivalente a 60% a 70% do que teve no feriado do ano passado. Também houve aumento das viagens de carro. Todos esperamos para ver se haveria um aumento de casos de covid-19 nos 15 dias depois e não houve. Agora vemos uma demanda aquecida para o próximo feriado porque as pessoas viram que viajar é seguro”, afirmou Kakinoff. O presidente da Gol disse que tem sido surpreendido toda semana com o aumento no volume de passageiros. A Gol estima fechar o ano com 70% a 80% do nível de passageiros que tinha em dezembro de 2019. “A receita, no entanto, não acompanha o crescimento da demanda, porque as tarifas aéreas estão mais baixas. Eduardo Busch, diretor-executivo da VoePass, disse que a empresa operava 47 destinos antes da pandemia e hoje já voa para 33 destinos. Em outubro, serão 35. A frequência de voos também será ampliada. “Esperamos bater 80% de produtividade até o fim do ano”, disse Busch.