Mercado abrirá em 2 h 58 min
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,75
    +0,74 (+1,03%)
     
  • OURO

    1.793,90
    -4,10 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    16.839,58
    +41,25 (+0,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    395,56
    -6,47 (-1,61%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.487,61
    -1,58 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.529,75
    +20,25 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4745
    +0,0081 (+0,15%)
     

Desafio agora é integrar inovações, diz Campos Neto em evento de fintechs

Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto

(Reuters) - O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse nesta quarta-feira que o desafio agora do BC é integrar todas as inovações de ferramentas dentro do sistema financeiro, considerando que é essa integração que vai cumprir o objetivo de maior competição e novas ideias.

"E como todo projeto de tecnologia, o projeto de integração, a gente sabe como ele começa, mas não tem muita certeza de como vai se desenvolver", disse Campos Neto em vídeo previamente gravado e exibido na manhã desta quarta-feira no Fintouch, evento organizado pela Associação Brasileira de Fintechs (ABFintechs).

"Nosso desafio agora é integrar todas as inovações", disse, citando o Pix, o Open Finance, a moeda digital e a liberalização do câmbio.

O presidente do BC destacou expectativa de que "em algum momento" tenha-se um sistema de pagamento transfronteiriço e um sistema de inovação "que cruze fronteiras", com o real digital como parte desta carteira.

"Nosso objetivo é trazer o mundo de finanças descentralizado mais próximo ao mundo regulado", disse Campos Neto, acrescentando que o BC está "de portas abertas" a diálogo.

(Por José de Castro)