Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.592,38
    +2.025,76 (+3,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Derivativos secretos explicam turbulência causada por Archegos

Sofia Horta e Costa, Tracy Alloway e Bei Hu
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A desalavancagem forçada de mais de US$ 20 bilhões em posições ligadas à empresa de investimentos de Bill Hwang chama a atenção para os instrumentos financeiros secretos usados por ele para acumular grandes participações em empresas.

Grande parte da alavancagem usada pela Archegos Capital Management, de Hwang, foi financiada por bancos como Nomura e Credit Suisse por meio de swaps ou os chamados contratos por diferença (CFDs, na sigla em inglês), segundo pessoas com conhecimento direto das operações. Isso significa que a Archegos pode nunca ter sido de fato a dona da maioria dos derivativos ocultos, se é que teve algum.

Embora investidores que acumulem participações acima de 5% em uma empresa listada nos Estados Unidos geralmente tenham que divulgar sua posição e transações futuras, esse não é o caso de participações montadas com o tipo de derivativos aparentemente usados pela Archegos. Os produtos, desenvolvidos fora das bolsas, permitem que gestores como Hwang acumulem participações em empresas de capital aberto sem ter que declarar as posições.

A rápida reversão das posições da Archegos reverberou no mundo todo, após bancos como Goldman Sachs e Morgan Stanley forçarem a firma de Hwang a vender bilhões de dólares em investimentos acumulados por meio de apostas altamente alavancadas. A onda vendedora atingiu ações de empresas como Baidu e ViacomCBS, enquanto Nomura e Credit Suisse divulgaram que enfrentam perdas potencialmente significativas devido à sua exposição.

Uma razão para o impacto generalizado são os recursos emprestados usados por investidores para aumentar suas apostas: uma chamada de margem ocorre quando o mercado vai contra uma posição grande e alavancada, o que obriga o fundo de hedge a depositar mais dinheiro ou valores mobiliários por meio de seu corretor para cobrir quaisquer perdas. Provavelmente, a Archegos foi obrigada a depositar apenas uma pequena porcentagem do valor total das apostas.

A cadeia de eventos desencadeada pela reversão em massa de posições destaca o papel que hedge funds desempenham nos mercados de capitais globais. A pressão compradora contra fundos de hedge liderada por usuários do Reddit para impulsionar as ações da varejista de videogame Gamestop no início deste ano gerou perdas de US$ 6 bilhões para o fundo Melvin Capital, de Gabe Plotkin, e atraiu escrutínio de reguladores e políticos dos EUA.

A ideia de que uma empresa pode acumular discretamente enormes posições por meio de derivativos pode chamar a atenção para empresas pouco regulamentadas que têm o poder de desestabilizar os mercados.

As apostas de Hwang ainda não estão claras, mas participantes do mercado estimam que seus ativos tenham aumentado de US$ 5 bilhões para US $ 10 bilhões nos últimos anos, e que as posições totais possam superar US$ 50 bilhões. Hwang não respondeu a pedidos de comentário.

CFDs e swaps estão entre os derivativos sob medida que investidores negociam de forma privada entre si, ou no mercado de balcão, e não nas bolsas. Essa opacidade agravou a crise financeira de 2008, e reguladores introduziram inúmeras regras que supervisionam os ativos desde então.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.