Mercado fechará em 1 h 10 min
  • BOVESPA

    107.904,04
    +1.045,17 (+0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.607,48
    +1,92 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,60
    +3,11 (+4,48%)
     
  • OURO

    1.785,20
    +5,70 (+0,32%)
     
  • BTC-USD

    51.092,99
    +2.050,92 (+4,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.315,85
    -5,43 (-0,41%)
     
  • S&P500

    4.688,88
    +97,21 (+2,12%)
     
  • DOW JONES

    35.741,23
    +514,20 (+1,46%)
     
  • FTSE

    7.339,90
    +107,62 (+1,49%)
     
  • HANG SENG

    23.983,66
    +634,28 (+2,72%)
     
  • NIKKEI

    28.455,60
    +528,23 (+1,89%)
     
  • NASDAQ

    16.319,50
    +476,75 (+3,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3324
    -0,0912 (-1,42%)
     

Deputados pedem no STF investigação de Bolsonaro por fake news associando vacina a HIV

·2 min de leitura

RIO — Deputados do PSOL e do PDT entraram com uma notícia-crime no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) seja investigado por associar a vacina contra a Covid-19 com o risco de desenvolver a Aids. A falsa associação foi feita pelo presidente em uma live nas redes sociais na última quinta-feira.

​​A declaração feita por Bolsonaro levou o Facebook a tirar o vídeo do ar. Essa é a primeira vez que a rede social retira do ar uma live do presidente.

Na ação encaminhada ao STF, os parlamentares afirmaram que as mentiras propagadas por jair Bolsoanro configuram crime e são um desrespeito com os brasileiros que perderam familiares para a doença.

“O Presidente da República mentir sobre a vacinação, além de um ato criminoso, é um absoluto desrespeito para com o país e com as famílias enlutadas”, diz o comunicado publicado pelo PSOL.

A ação do deputados aponta violações como infração de medida sanitária preventiva e perigo para a vida ou saúde de outrem, crime de responsabilidade e infração ao princípio da moralidade.

No vídeo, Bolsonaro mencionou uma notícia falsa dizendo que relatórios oficiais do Reino Unido teriam sugerido que pessoas totalmente vacinadas estariam desenvolvendo a Síndrome de Imunodeficiência Adquirida, causada pelo vírus HIV, "muito mais rápido do que o previsto". A comunidade médica reagiu às alegações do presidente, desmentindo suas afirmações, classificadas como fake news.

A CPI da Covid decidiu incluir no relatório final a declaração falsa de Bolsonaro. Segundo o parlamentar, um ofício proposto pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) será encaminhado ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, relator do inquérito das fake news, para comunicá-lo sobre reincidência de prática criminosa e propor providências, entre elas a retratação do presidente em suas redes sobre a declaração que associa a imunização contra a Covid-19 à Aids.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos