Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.289,18
    +1.085,18 (+0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.037,05
    -67,35 (-0,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,25
    -0,10 (-0,11%)
     
  • OURO

    1.819,40
    -10,30 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    36.600,40
    -210,59 (-0,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    835,69
    -20,12 (-2,35%)
     
  • S&P500

    4.349,93
    -6,52 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.168,09
    -129,64 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.469,78
    +98,32 (+1,33%)
     
  • HANG SENG

    24.289,90
    +46,30 (+0,19%)
     
  • NIKKEI

    27.011,33
    -119,97 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    14.243,25
    +84,75 (+0,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1054
    -0,0467 (-0,76%)
     

Deputados falam em derrubada de veto do Refis do Simples mesmo após portaria de Bolsonaro

·2 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A portaria editada pelo governo federal para que empresas do Simples Nacional possam renegociar suas dívidas com a PGFN (Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional) não deve mudar a posição de parlamentares que defendem a derrubada do veto ao projeto sobre o tema aprovado no Congresso.

A tentativa de Jair Bolsonaro (PL) de acenar às micro e pequenas empresas após vetar o texto do Congresso é vista como insuficiente por deputados.

Deputados da oposição e da base do governo relataram à reportagem que o veto deverá ser derrubado mesmo após a portaria publicada nesta terça (11) para manter a proposta mais ampla de renegociação de dívidas.

O deputado Efraim Filho (DEM-PB) afirma que a proposta aprovada no Congresso tem apelo social muito forte e que o veto deve ser derrubado para "recuperar o projeto em toda a sua amplitude, algo que não é possível apenas com a portaria".

"Essa portaria nem precisaria ter existido, porque o veto foi um grande equívoco político e econômico. A equipe ministerial priorizou a arrecadação, porém esqueceu que não existe retomada econômica com empresas de portas fechadas", disse o parlamentar.

Hildo Rocha (MDB-MA) argumenta que a portaria "não contempla todas as nuances da proposta aprovada no Congresso" para socorrer os empresários.

"Não nos resta outra opção a não ser derrubar o veto para garantir a existência de milhões de pequenas e microempresas, assim como milhões de empregos e até mesmo o pagamento dos impostos atrasados", afirma Rocha.

O líder do PT na Câmara, deputado Reginaldo Lopes (MG), afirmou que a oposição e o partido vão trabalhar pela derrubada do veto e que a portaria é mais uma tentativa de Bolsonaro de enganar a população.

"Nós construímos um projeto, foi negociado com todos setores e com todos os partidos políticos. Vamos continuar a defender o setor empreendedor e o produtivo, que geram empregos", afirmou Lopes.

Uma das possibilidades debatidas, disse um deputado, é prorrogar via comitê gestor do Simples o prazo de inscrição, que é até 31 de janeiro, por 60 dias e nesse tempo votar a derrubada do veto no plenário para evitar perdas para os empresários.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos