Mercado fechará em 4 h 8 min
  • BOVESPA

    118.647,46
    -998,94 (-0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.317,57
    +191,86 (+0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,03
    -0,28 (-0,53%)
     
  • OURO

    1.864,50
    -2,00 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    31.656,67
    -1.845,43 (-5,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    629,97
    -49,94 (-7,34%)
     
  • S&P500

    3.849,90
    -1,95 (-0,05%)
     
  • DOW JONES

    31.164,69
    -23,69 (-0,08%)
     
  • FTSE

    6.739,55
    -0,84 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    +285,48 (+0,96%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,60 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.298,00
    +3,75 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4508
    +0,0428 (+0,67%)
     

Deputado cede vaga para mulher em comissão sobre denúncia de assédio na Alesp

Colaboradores Yahoo Notícias
·3 minuto de leitura

O deputado estadual Carlos Giannazi (PSOL-SP) anunciou que cederá a sua vaga na comissão do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) à sua suplente, Erica Malunguinho, na reunião que vai avaliar o caso de assédio denunciado por sua colega de partido, a parlamentar Isa Penna.

A deputada denunciou Fernando Cury, deputado estadual pelo Cidadania, de assédio sexual. Imagens gravadas na Assembleia Legislativa mostram Cury apalpando a lateral do seio da parlamentar durante uma votação na casa.

Leia também

“Mesmo tendo sido um dos poucos deputados homens a condenar o assédio sofrido pela colega Isa Penna na Alesp, mesmo sendo reconhecido pela postura antimachista e ações em defesa dos direitos das mulheres, vou abrir mão da titularidade de minha cadeira no Conselho de Ética”, publicou Giannazi em sua rede social.

De nove integrantes, a comissão tem apenas uma mulher, a presidente do Conselho de Ética da casa, Maria Lúcia Amary (PSDB). Ela considerou a atitude de Cury “constrangedora” e disse que o caso será o primeiro na pauta após o recesso, em fevereiro de 2021.

Isa Penna lançou uma campanha para pedir a cassação de Fernando Cury. Na opinião da deputada, sem cobranças da sociedade, o caso poderá ser esquecido. “Único jeito de acontecer alguma coisa é com a ajuda de vocês, é a única chance que eu tenho. Porque no minuto que a gente desfocar disso, vai ser a boa e velha prática do parlamento e vai para debaixo do tapete. Eu peço encarecidamente.”

O abaixo-assinado foi divulgado nas redes sociais da deputada. Para Isa Penna, é importante que Cury sofra as consequências dos atos não só por ela, mas por outras mulheres vítimas de assédio.

“É pela Mari Ferrer, que recentemente passou por uma situação de ‘estupro culposo’, daquela sentença absurda, é pela Dani Calabresa, que recentemente publicou nas redes dela o assédio que ela passou, é por todas. É pelas vereadoras negras recém-eleitas que foram ameaçadas de morte. É pela nossa realidade. Acima de tudo, é pelas que virão”, afirmou.

No manifesto, a deputada e a equipe ainda citam a vereadora Marielle Franco, assassinada em 14 de março de 2018, e criticou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). “Quando Marielle Franco foi executada, o recado foi claro. Mulheres, em especial mulheres negras, de esquerda, com uma agenda de emancipação, serão continuamente perseguidas. E isso continua a acontecer com Talíria Petrone agora e tantas outras”, diz o texto.

“O próprio Jair Bolsonaro, nosso atual presidente, quando era deputado disse em 2003 para a deputada Maria do Rosário: ‘não te estupro porque você não merece’ e reafirmou o mesmo absurdo publicamente em 2014.”

O Cidadania, partido de Fernando Cury, afirmou que encaminhou o caso para o Conselho de Ética do partido e pediu explicações ao deputado estadual. A Alesp também informou estar investigando o caso.

Já Fernando Cury falou na Assembleia Legislativa na última quinta-feira, 17. Ele negou que houve uma “tentativa de assédio” e se disse “triste” com a situação.