Mercado fechará em 2 h 18 min
  • BOVESPA

    122.016,86
    +107,83 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.392,16
    -474,99 (-0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,36
    +0,44 (+0,68%)
     
  • OURO

    1.835,60
    -2,00 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    56.440,12
    -919,09 (-1,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.508,18
    +1.265,50 (+521,47%)
     
  • S&P500

    4.155,89
    -32,54 (-0,78%)
     
  • DOW JONES

    34.282,82
    -460,00 (-1,32%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    28.013,81
    -581,89 (-2,03%)
     
  • NIKKEI

    28.608,59
    -909,71 (-3,08%)
     
  • NASDAQ

    13.350,75
    -6,00 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3541
    +0,0139 (+0,22%)
     

Deputada do PSOL envia carta a Bernie Sanders por apoio contra Ferrogrão

MÔNICA BERGAMO
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O mandato da deputada federal Vivi Reis (PSOL-PA) enviou uma carta ao senador norte-americano Bernie Sanders, por meio de seu gabinete, pedindo apoio contra o projeto da Ferrogrão. A ferrovia, que ligará o Mato Grosso ao Pará, é considerada uma das principais apostas do governo Bolsonaro para escoamento de commodities pela região Norte. "Este projeto é mais uma prova do autoritarismo e da já conhecida truculência do governo Bolsonaro. Os povos indígenas não foram consultados sobre o empreendimento, o que constitui uma violação dos compromissos internacionais assumidos pelo governo brasileiro", afirma o documento. A carta tem o endosso de deputados do PSOL, da deputada Joenia Wapichana (Rede-RR), da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, do Movimento Xingu Vivo Para Sempre e de representantes das entidades Conselho Indígena Tapajós Arapiun, Movimento Tapajós Vivo e Movimento Negro Unificado. "Em reconhecimento à sua liderança mundial no campo progressista, e dado o seu grande prestígio na comunidade internacional, pedimos o seu apoio para propagar essa reclamação e nos ajudar a impedir essa catástrofe. Seu apoio pode ser de enorme importância para a resistência dos povos indígenas do Brasil em face da política genocida e anti-ambiental de Bolsonaro", segue a carta dirigida ao senador democrata. Apesar de revés no STF (Supremo Tribunal Federal) e de questionamentos do Ministério Público Federal, o Ministério da Infraestrutura ainda vê possibilidade de licitar o projeto até o fim de 2021, com investimentos previstos em R$ 21,5 bilhões. Com 933 quilômetros de extensão, o projeto prevê a ligação ferroviária do Mato Grosso aos portos de Miritituba e Santarém, no Pará, trajeto hoje feito majoritariamente de caminhão, pela BR-163. A possibilidade de impactos sobre a Floresta Nacional do Jamanxim e sobre 23 povos indígenas são alguns dos pontos críticos hoje. Nesta semana, o Ministério Público Federal foi ao TCU (Tribunal de Contas da União) pedir que o projeto seja devolvido à ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) e só seja levado adiante após consulta obrigatória aos povos indígenas afetados. Segundo o Ministério Público Federal, levantamentos iniciais identificaram impactos sobre os povos Munduruku, Panará, Kayapó e Kayapó Mekragnotire, além de seis terras indígenas no Mato Grosso, incluindo áreas de povos isolados e o Parque Indígena do Xingu.