Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.132,53
    +346,23 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.200,59
    -535,89 (-1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,89
    +0,98 (+2,18%)
     
  • OURO

    1.805,40
    +0,80 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    18.848,84
    -191,99 (-1,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    372,19
    +1,67 (+0,45%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.391,09
    -41,08 (-0,64%)
     
  • HANG SENG

    26.669,75
    +81,55 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    26.296,86
    +131,27 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    12.168,50
    +92,50 (+0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3385
    -0,0584 (-0,91%)
     

Segundo turno em SP: Depois de ser associado a Bolsonaro, Covas diz que votou nulo em 2018

·3 minuto de leitura
João Doria, Jair Bolsonaro, Luiz Eduardo Ramos e Bruno Covas, em março de 2019 (Foto: Reprodução/Instagram)
João Doria, Jair Bolsonaro, Luiz Eduardo Ramos e Bruno Covas, em março de 2019 (Foto: Reprodução/Instagram)

Nos últimos dias, voltou à tona uma foto do prefeito Bruno Covas (PSDB), com o governador João Doria (PSDB), do então chefe do Comando Militar do Sudeste, Luiz Eduardo Ramos, e com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O retrato é de março de 2019 e está no Instagram do prefeito.

Para se defender da associação com Jair Bolsonaro, Covas disse nesta quarta-feira, 18, que anulou o voto na eleição de 2018. “Anulei meu voto na eleição presidencial de 2018 por não ver em Bolsonaro discurso que agregasse discurso democrático na campanha dele”, afirmou o prefeito durante agenda da campanha na zona sul da cidade.

Covas ainda lembrou que já se manifestou contrariamente a posições de Bolsonaro, “como quando o então ministro da educação disse que faria revisão dos livros de história para que a ditadura não fosse viste como uma ditadura militar".

Leia também

“Mantenho meu posicionamento contrário aos posicionamentos dele, seja na área de direitos humanos, ambiental, cultural. Não vou mudar para ganhar eleição ou apoiador.”

Na última terça-feira, 17, Covas recebeu o apoio de Celso Russomanno (Republicanos), candidato de Bolsonaro em são Paulo no primeiro turno. Sobre o assunto, o prefeito se disse honrado.

Eleições em São Paulo

São Paulo é o maior colégio eleitoral do Brasil com quase 9 milhões de pessoas aptas a votar. Com 32.85% dos votos válidos no primeiro turno, Bruno Covas (PSDB) enfrenta Guilherme Boulos (PSOL) que teve 20.24% dos votos válidos..

Covas é prefeito da cidade desde 2018, quando assumiu após o prefeito eleito João Doria (PSDB) deixou o cargo para disputar — e ganhar — o Governo do Estado. Foi Bruno quem esteve à frente da cidade na pandemia do coronavírus.

Já Boulos ficou nacionalmente conhecido em 2018, quando foi candidato do PSOL à presidência. Conhecido por sua atuação com o MTST, ele é professor e concorre pela primeira vez ao cargo. Sua vice, Luiza Erundina, foi prefeita de São Paulo no final da década de 1980.

Eleições municipais em todo país

As Eleições 2020 moveram praticamente todo país neste domingo. Por conta do coronavírus, essa foi uma eleição diferente, com horários estendidos e mais critérios de segurança sanitária.

Uma questão que levanta muitas dúvidas ao longo processo é o famoso coeficiente eleitoral. Bem resumidamente, é a divisão do número de eleitores pelo número de vagas (nós explicamos com detalhes AQUI). Cada cidade, então, tem seu coeficiente eleitoral.

Caso não esteja presente na cidade onde você está apto para votar, é possível justificar seu voto. Para saber como, siga nosso guia clicando AQUI.

O que faz um prefeito?

O Estado se divide em três poderes o Executivo, Legislativo e Judiciário, e o prefeito é o chefe do Poder Executivo. Ou seja, é responsabilidade do prefeito administrar a cidade que exerce suas funções. Para mais detalhes da função CLIQUE AQUI e para saber quanto ganha um prefeito, CLIQUE AQUI.