Mercado abrirá em 8 h 19 min
  • BOVESPA

    101.016,96
    -242,79 (-0,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.245,86
    -461,86 (-1,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,72
    +0,16 (+0,41%)
     
  • OURO

    1.910,40
    +4,70 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    13.079,33
    -29,46 (-0,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,65
    -2,76 (-1,05%)
     
  • S&P500

    3.400,97
    -64,42 (-1,86%)
     
  • DOW JONES

    27.685,38
    -650,19 (-2,29%)
     
  • FTSE

    5.792,01
    -68,27 (-1,16%)
     
  • HANG SENG

    24.646,49
    -272,29 (-1,09%)
     
  • NIKKEI

    23.428,70
    -65,64 (-0,28%)
     
  • NASDAQ

    11.505,75
    +13,50 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6455
    +0,0050 (+0,08%)
     

Depois de comprar Easynvest, Nubank monta escritório na Colômbia

Felipe Marques
·2 minutos de leitura

(Bloomberg) -- O Nubank, maior banco digital independente do mundo, vai lançar uma operação na Colômbia, o quarto país na América Latina em que está presente.

O escritório terá cerca de 20 funcionários sob o comando de Catalina Breton, uma veterana do setor de aviação que comandou a aérea de baixo custo Wingo, disse Cristina Junqueira, co-fundadora do Nubank, em entrevista.

O sistema bancário da Colômbia é dominado por um grupo de empresas pertencentes ao Grupo Aval, do bilionário Luis Carlos Sarmiento, ao Bancolombia SA, com sede em Medellín, e ao Banco Davivienda SA. Cinco bancos detêm cerca de 80% dos ativos totais do setor.

“Queremos expandir para países que tenham as experiências mais dolorosas para clientes, com spreads altos e atendimento ruim”, disse Junqueira em uma entrevista em vídeo, acrescentando que países mais populosos como Peru e Equador podem ser os próximos alvos de expansão.

Avaliado em US$ 10,4 bilhões em 2019, o Nubank tem cerca de 30 milhões de clientes - mais do que os 26,8 milhões de clientes ativos que o Banco Santander Brasil em junho - e começou a se expandir fora do Brasil no ano passado. A fintech abriu um escritório na Argentina em 2019 e lançou um cartão de crédito no México em março, o mesmo produto que usará para iniciar seus negócios na Colômbia. No México, já são mais de 150 funcionários e mais de 30.000 clientes, segundo Junqueira.

A expansão para a Colômbia tem contornos pessoais para outro dos fundadores do Nubank, David Vélez. Nascido em 1982 em Medellín, a segunda maior cidade da Colômbia, a família de Vélez deixou o país quando ele tinha 9 anos, em meio ao violento conflito armado que assolava a região, disse ele, em um comunicado. Vélez mora no Brasil desde 2012.

“Volto à Colômbia pensando nos mais de cinquenta milhões de colombianos que hoje pagam tarifas altíssimas e recebem um serviço de baixa qualidade”, disse ele.

Apenas cerca de 20% dos pagamentos na Colômbia são feitos com cartões e a maior parte vem de colombianos de alta renda, disse Junqueira.

O Nubank também vem crescendo via aquisições: no início deste mês, o Nubank comprou a Easynvest, uma corretora digital brasileira com 1,5 milhão de clientes e mais de R$ 23 bilhões sob custódia por meio de uma transação em dinheiro e ações. O valor da transação não foi divulgado, mas tornou a empresa de private equity Advent uma investidora da empresa. O Nubank acumula US$ 820 milhões em rodadas de capital desde que foi fundado em 2013.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.