Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    60.908,77
    +129,50 (+0,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Depois de caminhoneiros, Reino Unido pode ficar sem banqueiros

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Primeiro, o Reino Unido ficou sem caminhoneiros. Agora, lobistas no pós-Brexit alertam sobre outra escassez iminente no mercado de trabalho: de banqueiros.

Most Read from Bloomberg

Equipes internacionais, principalmente da União Europeia, representam cerca de 20% dos 1,1 milhão de pessoas que trabalham em serviços financeiros no Reino Unido. Mas o Brexit está tornando mais difícil e mais caro contratar estrangeiros, segundo relatório da TheCityUK, um grupo de lobby, da City of London Corporation e da consultoria EY.

“Talento é consistentemente a questão número quando falamos com nossas empresas”, disse Miles Celic, CEO da TheCityUK. “Londres e o resto do Reino Unido dependem muito da capacidade de atrair talentos do exterior.”

Cidadãos da UE tinham o direito de morar e trabalhar no país antes do Brexit entrar em vigor em janeiro. Um período de carência para cidadãos da UE se candidatarem ao chamado status estabelecido expirou em junho, o que trouxe mais complicações a um mercado de trabalho já apertado em todas as cadeias de suprimentos do país.

“O desafio é que os cidadãos da UE estão agora no sistema de imigração”, disse Seema Farazi, sócia global de imigração da EY e coautora do relatório. “O impacto total não foi sentido porque os volumes foram silenciados pela pandemia.”

As mudanças também vêm com um custo altíssimo. Empresas que patrocinam vistos precisariam pagar pouco mais de 21.000 libras (US$ 28.228) para transferir um trabalhador, o parceiro ou parceira e dois filhos para o Reino Unido por cinco anos sob o processo de visto Tier 2, de acordo com estimativas anteriores da City of London Corporation e da EY.

Vistos de curto prazo

Outra preocupação importante é “a lacuna no sistema para viagens de negócios de curto prazo”, disse o relatório. Atualmente, “uma mudança relativamente pequena nas atividades muitas vezes resulta em um aumento drástico do custo, prazo e administração associados ao cumprimento do regime de imigração e não há meio-termo entre o status de visitante e um visto de trabalho.”

O relatório recomendou a criação de um visto de negócios híbrido de curto prazo para permitir que funcionários entrem no Reino Unido para atividades produtivas sem um visto de trabalho.

O relatório também alertou sobre problemas com viagens de negócios. Um participante anônimo do relatório disse que teve dificuldade em organizar vistos para funcionários no setor de fintechs - onde a força de trabalho do Reino Unido é 42% internacional - para participar de laboratórios de aceleradoras.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos