Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.530,25
    +2.154,50 (+4,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Denunciante do Facebook defende potencial de projeto europeu de regulamentação digital

·2 min de leitura
A ex-engenheira do Facebook Frances Haugen falou sobre o impacto negativo dos produtos de grandes empresas de tecnologia sobre os usuários, no Parlamento Europeu em Bruxelas, em 8 de novembro de 2021 (AFP/JOHN THYS)

Frances Haugen, que abalou o mundo com denúncias sobre a forma como o Facebook administra conteúdo de ódio, elogiou nesta segunda-feira(8) o "enorme potencial" do projeto europeu de regulamentação dos gigantes tecnológicos.

A Lei de Serviços Digitais "tem um potencial enorme. Ela não tenta eliminar o problema com a regulamentação de conteúdo. Ela adota uma abordagem que inclui os riscos sistêmicos (...) e eu apoio fortemente essa visão", disse Haugen à Comissão do Mercado Interno do Parlamento Europeu.

“Acho que os produtos do Facebook são prejudiciais às crianças, incentivam a divisão, enfraquecem nossa democracia e muito mais. A liderança da empresa conhece maneiras de tornar o Facebook e o Instagram mais seguros, mas não farão as mudanças necessárias porque colocam os lucros à frente das pessoas", disse ela.

Na visão da engenheira “quando as ações do comércio entram em conflito com os interesses das pessoas e da sociedade como um todo, as democracias devem intervir e fazer novas leis”. Por isso, celebrou o fato de "a União Europeia levar isto muito a sério".

Para Haugen, as regulamentações europeias estão em posição de se tornar o "padrão ouro global" em termos de regulamentação da operação de gigantes digitais.

Este regulamento “deve obrigar as plataformas a assumirem a responsabilidade por riscos que vão além da divulgação de conteúdos ilegais, como a manipulação de eleições, a divulgação explosiva de desinformação ou danos à saúde mental dos adolescentes”.

Haugen se reuniu com o Comissário Europeu para o Mercado Interno, Thierry Breton, que está liderando as negociações com o Parlamento Europeu para a Lei de Serviços Digitais.

A engenheira de 37 anos, que trabalhou em gigantes como Google, Pinterest e Yelp antes de chegar ao Facebook, já apresentou suas denúncias ao Congresso dos Estados Unidos e ao Parlamento britânico.

A Lei Europeia de Serviços Digitais visa proibir as plataformas de utilizarem algoritmos para promover informações falsas e discursos perigosos e impor aos principais grupos a obrigação de moderar o seu conteúdo.

Esta lei é complementada por outra, de Mercados Digitais, que determina regras específicas para atores "sistêmicos", referentes a questões como a crescente ameaça à livre concorrência ou o uso de dados privados de usuários.

arp-ahg/mb/jc

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos