Mercado abrirá em 9 horas 1 minuto
  • BOVESPA

    109.951,49
    +2.121,77 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,52
    +0,05 (+0,06%)
     
  • OURO

    1.891,60
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    22.865,07
    -407,31 (-1,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,31
    -10,58 (-1,97%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.337,12
    +53,60 (+0,25%)
     
  • NIKKEI

    27.479,86
    -126,60 (-0,46%)
     
  • NASDAQ

    12.588,50
    +43,25 (+0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5751
    +0,0077 (+0,14%)
     

Denunciante diz que Uber usou ‘financiamento ilimitado’ para silenciar motoristas

Denunciante diz que Uber usou ‘financiamento ilimitado’ para silênciar motoristas (Foto: Getty Images)
Denunciante diz que Uber usou ‘financiamento ilimitado’ para silênciar motoristas (Foto: Getty Images)
  • O denunciante é um ex-lobista da Uber que ajudou a vazar mais de 124 mil arquivos da empresa;

  • Os documentos revelam que a empresa frequentemente desrespeitava a lei ao pressionar governos de países;

  • A Uber gastou mais de US$ 90 milhões em lobby e comunicações.

O denunciante que ajudou a vazar milhares de arquivos condenatórios expondo supostos comportamentos ilegais da Uber exigiu ação dos legisladores da União Europeia, não apenas para a Uber, mas para gigantes globais da tecnologia.

O vazamento dos mais de 124 mil arquivos ficou conhecido como Uber Files veio à tona em julho, revelando que a empresa frequentemente desrespeitava a lei ao pressionar governos de todo o mundo, além de enganar a polícia e explorar a violência contra motoristas.

Mark MacGann, um ex-lobista do Uber na Europa de 2015 a 2016, agora está pedindo ao Parlamento Europeu que tome medidas contra o poder “antidemocrático” e “desproporcional” que as grandes empresas de tecnologia detêm.

Falando a um grupo de deputados do velho continente, MacGann disse que as ações do Uber são “imorais limítrofes” e que quaisquer disputas legais levantadas por motoristas foram anuladas com “finanças ilimitadas”.

Durante a supervisão de MacGann, a Uber gastou mais de US$ 90 milhões em lobby e comunicações, enquanto centenas de milhões foram gastos em advogados caros em todo o mundo.

“Quando as empresas de tecnologia têm recursos financeiros desproporcionais para divulgar sua mensagem, às custas dos trabalhadores muito menos poderosos sobre os quais seu modelo é construído, há algo realmente antidemocrático acontecendo”, disse ele.

Ele também acrescentou que o atual poder legislativo detido por grandes plataformas de tecnologia “arrisca-se a destruir a justiça social” que os deputados da europa tentaram defender.

O Parlamento Europeu está atualmente debatendo propostas que protegem os trabalhadores da economia, garantindo que eles recebam auxílio-doença, salário mínimo e férias. Está em pauta também a discussão de que o ônus de provar a condição de empregado recairia sobre as empresas e não sobre os trabalhadores – outro ponto levantado por MacGann, que enfatizou a importância dessa legislação.

“O ônus financeiro deve recair sobre aqueles que podem pagar, o que significa as empresas de plataforma e não os motoristas”, disse ele. “Empresas como a Uber têm tanto dinheiro para afogar você em taxas legais”, disse ele.

MacGann disse mais tarde em um comunicado que espera que seu testemunho inspire e ajude outros denunciantes: “Tenho uma plataforma, tenho voz para ajudar o máximo que puder os trabalhadores da Europa, que estão tentando fazer com que suas vozes sejam ouvidas… Não sei qual é o prazo de validade desse trabalho, se são semanas ou meses, então estou levando-o dia após dia.”