Mercado abrirá em 2 h 9 min
  • BOVESPA

    115.882,30
    -581,70 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.262,01
    -791,59 (-1,76%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,32
    -0,53 (-1,00%)
     
  • OURO

    1.842,00
    -6,90 (-0,37%)
     
  • BTC-USD

    31.361,15
    -48,95 (-0,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    631,95
    +4,29 (+0,68%)
     
  • S&P500

    3.750,77
    -98,85 (-2,57%)
     
  • DOW JONES

    30.303,17
    -633,83 (-2,05%)
     
  • FTSE

    6.440,35
    -127,02 (-1,93%)
     
  • HANG SENG

    28.550,77
    -746,76 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.197,42
    -437,79 (-1,53%)
     
  • NASDAQ

    12.944,50
    -161,00 (-1,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5480
    -0,0057 (-0,09%)
     

Democratas querem votação rápida de auxílio de US$2.000 nos EUA por pandemia

Richard Cowan
·1 minuto de leitura

Por Richard Cowan

WASHINGTON (Reuters) - Os democratas da Câmara dos Deputados dos EUA querem obter, nesta quinta-feira, aprovação rápida de uma legislação que concede 2.000 dólares em pagamentos diretos aos norte-americanos como parte de uma iniciativa de ajuda econômica devido ao coronavírus, depois que o presidente Donald Trump inesperadamente insistiu na medida.

Milhões de norte-americanos aguardam desesperadamente algum tipo de nova assistência de Washington em uma pandemia de Covid-19 que está saindo de controle nos Estados Unidos e em outros países.

Na noite de segunda-feira, o Congresso aprovou de forma esmagadora um projeto de lei de auxílio emergencial de 892 bilhões de dólares que contém um pagamento único de 600 dólares a indivíduos para ajudá-los em um momento de crise da economia dos EUA, afetada pela pandemia.

O auxílio foi anexado a 1,4 trilhão de dólares em recursos para manter o governo federal operando neste ano fiscal, que termina em 30 de setembro de 2021.

Mas, desafiando as expectativas, Trump sugeriu na terça-feira que pode vetar a gigantesca legislação se os pagamentos diretos não forem aumentados para 2.000 dólares por pessoa e se uma série de projetos de gastos governamentais não relacionados, incluindo ajuda externa, não forem descartados.

Trump não disse explicitamente que vetaria a medida em sua forma atual.