Mercado fechado
  • BOVESPA

    104.466,24
    +3.691,67 (+3,66%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.927,38
    +920,22 (+1,84%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,14
    +1,57 (+2,39%)
     
  • OURO

    1.769,30
    -15,00 (-0,84%)
     
  • BTC-USD

    56.893,96
    +151,77 (+0,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.448,18
    +9,30 (+0,65%)
     
  • S&P500

    4.577,10
    +64,06 (+1,42%)
     
  • DOW JONES

    34.639,79
    +617,75 (+1,82%)
     
  • FTSE

    7.129,21
    -39,47 (-0,55%)
     
  • HANG SENG

    23.788,93
    +130,01 (+0,55%)
     
  • NIKKEI

    27.753,37
    -182,25 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.996,50
    +126,75 (+0,80%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3816
    -0,0652 (-1,01%)
     

Democratas anunciam avanço em acordo sobre preço dos medicamentos nos EUA

·2 min de leitura
O líder da maioria do Senado, Chuck Schumer, democrata de Nova York, fala à imprensa durante uma coletiva após almoçar com democratas no Capitólio, sede do Legislativo nos Estados Unidos, em 2 de novembro de 2021 (AFP/MANDEL NGAN)

Os democratas anunciaram nesta terça-feira (2) um acordo para reduzir os preços elevadíssimos de medicamentos receitados a milhões de americanos, resolvendo, assim uma disputa-chave nas negociações sobre a expansão da rede de seguridade social, estagnada em meio a disputas internas no Congresso.

O acordo faculta ao governo negociar o custo de certos medicamentos prescritos a partir de 2023 e permite o reembolso no caso de medicamentos cujos preços aumentem acima da inflação.

"Fixar os preços dos medicamentos prescritos tem sido um tema importante para os americanos anos após ano, inclusive a grande maioria dos democratas e republicanos que querem ver uma mudança porque simplesmente não conseguem pagar por seus medicamentos", afirmou o líder da maioria democrata do Senado, Chuck Schumer.

O acordo limitaria as despesas dos pacientes a 2.000 dólares anuais e as negociações de preços do governo começariam com dez medicamentos.

Schumer antecipou que também acabaria com o aumento excessivo de preços, como o da insulina, que diminuiria de 600 para 35 dólares mensais.

Fundamentalmente, o acordo aproxima os democratas de uma votação sobre o plano de gastos de bem-estar social de 1,75 trilhão de dólares, um pilar da agenda legislativa do presidente Joe Biden, juntamente com um projeto de lei de infraestrutura bipartidário de 1,2 trilhão de dólares.

A presidente da Câmara de Representantes, a democrata Nancy Pelosi, informou que os democratas poderiam resolver todos os assuntos pendentes no projeto de lei Build Back Better (Reconstruir Melhor) ao final do dia, abrindo o caminho para uma votação na Câmara esta semana.

No entanto, vários outros obstáculos políticos continuam sobre a mesa de negociações, da imigração aos cuidados infantis e os impostos.

O senador moderado Joe Manchin deu um freio na segunda-feira aos pacotes ambiciosos, apontando que ainda precisa avaliar os impactos econômicos do Build Back Better.

Manchin enfatizou que poderia enterrar o projeto, sem importar que ele seja aprovado na Câmara de Representantes se a liderança no Congresso e a Casa Branca não se inclinarem ainda mais para o centro.

O pacote de gastos em saúde, educação e as políticas ambientais e fiscais não têm apoio republicano, o que implica em que deve ser aprovado mediante um processo conhecido como de "reconciliação" e não pode perder o voto de Manchin ou de outro democrata em um Senado dividido em partes iguais entre os dois partidos.

ft/dw/ag/rsr/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos