Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.282,28
    +2.032,55 (+1,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.338,34
    +510,21 (+1,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,36
    +0,13 (+0,18%)
     
  • OURO

    1.762,90
    -15,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    43.691,86
    +1.624,98 (+3,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.097,66
    +57,18 (+5,50%)
     
  • S&P500

    4.395,64
    +41,45 (+0,95%)
     
  • DOW JONES

    34.258,32
    +338,48 (+1,00%)
     
  • FTSE

    7.083,37
    +102,39 (+1,47%)
     
  • HANG SENG

    24.664,77
    +443,23 (+1,83%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.202,25
    +38,75 (+0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2089
    +0,0001 (+0,00%)
     

Demissões podem ser feitas pelo Whatsapp - e sem indenizações para trabalhador

·2 minuto de leitura
  • Principalmente durante o período da pandemia, trabalhadores foram dispensados via Whatsapp;

  • Ao tentarem pedido de indenização a respeito da comunicação considerada não oficial, trabalhadores tiveram parecer negativo;

  • Para os advogados entrevistados tudo passa pelo 'respeito e cordialidade' na hora de demitir pelo app.

A Justiça do Trabalho passou a validar demissões via aplicativos. Principalmente durante o período da pandemia, trabalhadores foram dispensados via mensagens de Whatsapp. Como voto desfavorável em processo no Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (2ª Região), a desembargadora Rilma Aparecida Hemérito lembrou que "o Whatsapp se tornou um grande aliado". 

Porém, o auxílio da plataforma parece tender apenas aos patrões: ao tentarem pedido de indenização a respeito da comunicação considerada não oficial, trabalhadores tiveram parecer negativo.

Segundo levantamento do Data Lawyer Insights, entre 2017 e 2021, foram contabilizados 144 mil processos envolvendo os termos demissão, Whatsapp e danos morais, sendo 103 mil ocorridos durante a pandemia do coronavirus. Os juristas afirmam que o uso do recurso tecnológico pode ser igualdade ao tratamento presencial. 

Leia também:

"Em em cenário que é possível ao trabalhador desenvolver suas atividades em qualquer localidade do mundo, por que se exigiria que a comunicação e os demais procedimentos da dispensa ocorressem de forma presencial?", questionou o advogado Matheus Cantarella Vieira, do escritório Souza, Mello e Torres.

No caso do processo do TRT de São Paulo, uma coordenadora pedagógica foi dispensada via aplicativo, e alegou que o aviso prévio não poderia ser substituído por mensagem. Outra decisão dada no TRT do Rio de Janeiro teve danos morais negados, pois avaliou que a mensagem, enviada de forma privada e não em grupos, não gerava nenhum tipo de constrangimento. 

Já em outro parecer, uma trabalhadora doméstica teve causa ganha. Segundo a avaliação jurídica, a diferença estava no tom da mensagem enviada pela empregadora. A mensagem dizia o seguinte:

"Bom dia. Você está demitida. Devolva as chaves e o cartão da minha casa. Receberá contato em breve para assinar documentos". O valor da indenização para a ex funcionária foi de três salários mínimos. 

Para os advogados entrevistados pelo Valor, tudo passa pelo 'respeito e cordialidade' na hora de demitir pelo aplicativo. Assim, o trabalhador está, mais uma vez, dependendo do empregador. 

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos