Mercado abrirá em 8 h 18 min
  • BOVESPA

    118.811,74
    +1.141,74 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.352,18
    -275,52 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,00
    +0,30 (+0,50%)
     
  • OURO

    1.729,80
    -2,90 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    60.414,09
    +308,46 (+0,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.290,70
    -3,88 (-0,30%)
     
  • S&P500

    4.127,99
    -0,81 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    33.745,40
    -55,20 (-0,16%)
     
  • FTSE

    6.889,12
    -26,63 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.727,53
    +274,25 (+0,96%)
     
  • NIKKEI

    29.845,90
    +307,17 (+1,04%)
     
  • NASDAQ

    13.793,75
    -15,00 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8192
    -0,0113 (-0,17%)
     

Demanda por voos domésticos da Gol em março cai 41%

·1 minuto de leitura
.

SÃO PAULO (Reuters) - A Gol informou nesta segunda-feira que a demanda da por assentos em seus voos domésticos em março foi 40,6% menor do que um ano antes, ilustrando a continuada pressão sobre o setor aéreo, diante das medidas de isolamento social para tentar conter a pandemia da Covid-19 no Brasil.

Já a oferta de assentos pela companhia foi 39,7% menor, também no comparativo anual. Com isso, a taxa de ocupação das aeronaves diminuiu 1,1 ponto percentual em relação a março de 2020, primeiro mês da pandemia no país, para uma taxa de 71,8%.

No primeiro trimestre, a demanda foi 35,7% menor, enquanto a oferta de assentos caiu 34,7%, provocando uma queda de 1,2 ponto ano a ano, para 79,8% de ocupação de passageiros.

Não houve voos internacionais operados pela Gol no mês passado, em meio a restrições de vários países à entrada de passageiros procedentes do Brasil, que enfrenta uma segunda onda da pandemia.

"Em março, a Gol operou uma média de 245 voos diários e adequou frequências à menor demanda nos hubs de Congonhas (São Paulo), Galeão (Rio de Janeiro), Brasília (Distrito Federal), Fortaleza (Ceará) e Salvador (Bahia)" afirmou a companhia.

(Por Aluisio Alves)