Mercado fechará em 1 h 8 min
  • BOVESPA

    112.090,49
    +2.372,55 (+2,16%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.625,42
    +164,87 (+0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,91
    -2,43 (-2,58%)
     
  • OURO

    1.817,70
    +10,50 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    24.150,39
    -65,07 (-0,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,51
    +3,23 (+0,57%)
     
  • S&P500

    4.265,06
    +57,79 (+1,37%)
     
  • DOW JONES

    33.669,81
    +333,14 (+1,00%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.530,00
    +218,75 (+1,64%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2072
    -0,1165 (-2,19%)
     

Demanda por salgadinho pode indicar busca de produto barato para saciar fome, aponta pesquisa

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Além do aumento na demanda pelo ovo para substituir a carne bovina que subiu de preço, o consumidor das classes mais baixas também elevou as compras de produtos como biscoitos, salgadinhos e refrigerantes, segundo o monitoramento da empresa de inteligência de mercado Horus.

O produto que teve o maior crescimento da presença no carrinho de compras foi o biscoito, com alta de 22,6% no primeiro semestre de 2022 em relação ao mesmo período do ano passado. O avanço também foi alto nos refrigerantes (17,9%) e nos snacks e salgadinhos (9,2%). Nas classes D e E, a média desses itens na compra foi superior às demais.

Chamados de itens de indulgência no jargão do varejo de alimentos, o consumo desses produtos costuma estar associado a uma busca pela sensação de recompensa em momentos de dificuldade.

Para Luiza Zacharia, diretora da Horus, outra possibilidade é que essa categoria de baixo valor nutritivo, que reúne um grupo grande de produtos de menor desembolso, esteja sendo usada para saciar a fome de famílias de baixa renda, especialmente as crianças.

Segundo a pesquisa da Horus, o aumento do consumo desses produtos ganhou destaque entra as classes sociais de menor poder aquisitivo. Frutas, legumes e verduras, por sua vez, perderam presença na cesta de compras.

"Isso pode indicar uma procura por itens mais baratos para enganar a fome, porque snacks, salgadinhos, biscoitos e refrigerantes têm produtos de baixo valor, que custam R$ 1, R$ 2. Então, por um momento de necessidade, serve para enganar a fome e até vir a ser a próxima refeição", diz Zacharia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos