Mercado abrirá em 7 h 12 min
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,11
    -0,04 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.741,20
    +4,90 (+0,28%)
     
  • BTC-USD

    63.036,34
    -805,05 (-1,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.375,09
    -0,68 (-0,05%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.939,58
    +49,09 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.624,03
    -276,80 (-0,96%)
     
  • NIKKEI

    29.615,23
    -5,76 (-0,02%)
     
  • NASDAQ

    13.833,00
    +34,25 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7693
    -0,0036 (-0,05%)
     

Demanda por produtos alemães mantém fábricas à tona durante lockdown

·1 minuto de leitura
Fábrica da Knaus-Tabbert AG em Jandelsbrunn, na Alemanha

BERLIM (Reuters) - O sentimento empresarial na Alemanha deste mês ficou em seu patamar mais alto em quase dois anos, já que o aumento da demanda por produtos manufaturados está mantendo as fábricas da maior economia da Europa em funcionamento apesar da pandemia e das restrições de lockdown, mostrou uma pesquisa nesta sexta-feira.

O instituto Ifo disse que seu índice do clima empresarial subiu para 96,6, maior leitura desde junho de 2019, ante patamar revisado para cima de 92,7 em fevereiro. Uma pesquisa da Reuters com analistas apontava para uma leitura de 93,2 em março.

"Apesar do aumento do número de infecções, a economia alemã começou a primavera (no Hemisfério Norte) com confiança", disse o presidente do Ifo, Clemens Fuest. "As empresas estavam visivelmente satisfeitas com sua condição atual."

A pesquisa somou-se a sinais de que a economia está navegando pela pandemia relativamente inabalada em um ano eleitoral marcado pelo crescente descontentamento com o manejo dos lockdowns pela chanceler Angela Merkel e uma lenta campanha de vacinação.

O Ifo disse que a demanda "explosiva" por produtos alemães dos Estados Unidos e da China apontou para uma recuperação no setor industrial, em que o otimismo atingiu seu nível mais alto desde novembro de 2010.

A pesquisa também constatou que o setor de serviços, o mais afetado pelas medidas de lockdown em vigor desde novembro, também dava sinais iniciais de recuperação.

(Por Joseph Nasr)