Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.230,12
    +95,66 (+0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.046,58
    +616,83 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,32
    +2,69 (+3,22%)
     
  • OURO

    1.734,50
    +32,50 (+1,91%)
     
  • BTC-USD

    20.306,87
    +770,28 (+3,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    460,23
    +14,80 (+3,32%)
     
  • S&P500

    3.790,93
    +112,50 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    30.316,32
    +825,43 (+2,80%)
     
  • FTSE

    7.086,46
    +177,70 (+2,57%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.992,21
    +776,42 (+2,96%)
     
  • NASDAQ

    11.646,00
    +360,25 (+3,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1663
    +0,0924 (+1,82%)
     

Demanda por petróleo deve crescer acentuadamente no próximo ano, diz IEA

Por Noah Browning

LONDRES, (Reuters) - O crescimento da demanda global por petróleo vai se recuperar fortemente no próximo ano, à medida que a China afrouxe os lockdowns relacionados à Covid-19, disse a Agência Internacional de Energia (IEA) nesta quarta-feira, acrescentando que uma desaceleração econômica interromperá brevemente o aumento no final deste ano.

A perspectiva preserva uma visão relativamente otimista para um crescimento robusto no próximo ano, apesar dos ventos contrários econômicos, construídos com base na expectativa de que a China voltará ao trabalho, enquanto o crescimento das viagens aéreas aumentará a demanda por combustível de aviação.

A previsão da IEA de crescimento da demanda neste ano de 2 milhões de barris por dia (bpd) está concentrada principalmente no primeiro semestre do ano e deve cair para zero no quarto trimestre.

Compensando o impacto na demanda da economia, a mudança do gás para o petróleo para geração de energia proporcionará um aumento de 700 mil bpd no último trimestre deste ano e o primeiro do próximo, especialmente na Europa e no Oriente Médio, disse a IEA.

Para 2023, o crescimento está previsto para 2,1 milhões de bpd, principalmente devido às esperanças de recuperação na China.

"Os países não membros da OCDE cobrirão três quartos dos ganhos de 2023 se a China reabrir conforme o esperado”, acrescentou a AIE.

As exportações russas de petróleo estão em um caminho preocupante, já que a União Europeia planeja impor uma proibição aos serviços marítimos de transporte em 5 de dezembro.

A proibição reduzirá a produção de petróleo da Rússia para 9,5 milhões de bpd até fevereiro do próximo ano, disse a agência, uma queda de 1,9 milhão de bpd em relação a fevereiro de 2022.

Um plano dos países do G7 para limitar os preços de venda de petróleo russo e não proibir o comércio pode atenuar essas perdas.

(Por Noah Browning)