Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.893,11
    +359,55 (+1,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Demanda por combustível na China deve despencar em abril

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- A China caminha para o maior choque de demanda de petróleo desde os primeiros dias da pandemia, à medida que os esforços do país para domar o surto do vírus prejudicam vastas áreas da economia.

A demanda por gasolina, dísel e combustível de aviação deve cair 20% em abril em relação ao ano anterior, segundo pessoas com conhecimento interno do setor de energia do país. Isso equivale a uma queda no consumo de petróleo de 1,2 milhão de barris por dia, disseram eles.

Será o maior impacto na demanda desde o bloqueio de Wuhan há mais de dois anos. A cidade central da China foi o epicentro da pandemia de coronavírus. O declínio equivale a cerca de 9% da demanda diária de petróleo da China em comparação com a média de 2021.

A gasolina sofrerá o maior impacto, enquanto o combustível de aviação está saindo de uma base já baixa, disseram os executivos chineses do setor de petróleo que pediram anonimato porque não estão autorizados a falar publicamente. Embora a demanda por dísel para caminhões tenha caído, os setores agrícola e industrial estão oferecendo algum apoio, acrescentaram.

A China – o maior importador de petróleo do mundo – tem lutado para conter seu último surto que levou a uma série de lockdowns em todo o país, principalmente no centro financeiro de Xangai. A estratégia Covid Zero do país resultou em uma série de regras de quarentena que reduziram a mobilidade e a produção industrial, prejudicaram as cadeias de abastecimento e pesaram sobre o consumo de combustível.

Economistas consultados pela Bloomberg cortaram suas previsões de crescimento para a China mais uma vez devido ao ressurgimento do vírus, enquanto o presidente chinês Xi Jinping defende a abordagem.

A China tinha contido com sucesso os surtos esporádicos de vírus desde Wuhan, mas a variante omicron altamente contagiosa dificultou a luta contra a pandemia. O país está determinado em sua abordagem Covid Zero, enquanto outras nações se abrem e convivem com o vírus.

A demanda por gasolina no leste da China caiu cerca de 40% este mês, principalmente devido ao bloqueio em Xangai, disseram os executivos chineses do petróleo. A cidade prometeu intensificar a aplicação de suas restrições depois que as mortes aumentaram.

Os lockdowns pesam muito nas refinarias de petróleo do país. A Sinopec e refinarias independentes em Shandong foram forçadas a reduzir o ritmo de processamento de petróleo à medida que o consumo esfria.

Isso levou ao aumento dos estoques de combustível, levando as refinarias a pressionar o governo por cotas adicionais de exportação.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos