Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,77
    +0,16 (+0,30%)
     
  • OURO

    1.847,70
    -3,20 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    32.361,72
    +190,13 (+0,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +4,12 (+0,64%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.654,01
    +15,16 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.706,71
    +160,53 (+0,56%)
     
  • NASDAQ

    13.554,25
    +68,75 (+0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5126
    +0,0018 (+0,03%)
     

Demanda global por milho argentino pode cair após suspensão de embarques, diz câmara

Maximilian Heath
·2 minuto de leitura

Por Maximilian Heath

BUENOS AIRES (Reuters) - Os compradores internacionais de milho da Argentina poderão castigar o país sul-americano com menos aquisições e preços mais baixos devido à incerteza gerada pela recente suspensão de exportações do cereal anunciada pelo governo argentino, disseram empresas agroexportadoras nesta terça-feira.

O governo do peronista Alberto Fernández suspendeu temporariamente na semana passada o registro de novas exportações de milho com data de embarque até fevereiro, com o objetivo de assegurar o abastecimento doméstico do cereal, em uma decisão inesperada que gerou mal-estar em toda a cadeia agrícola local.

A decisão "introduz uma variável de incerteza nos compradores de outros países, que podem castigar nas compras e nos preços da origem argentina", disse em comunicado o Centro de Exportadores de Cereais (CEC), acrescentando que o governo não o consultou a respeito da medida.

A Argentina é a terceira maior exportadora de milho do mundo. Segundo dados oficiais, entre janeiro e novembro de 2020 o país embarcou 36 milhões de toneladas do grão, com receitas de 5,843 bilhões de dólares.

O CEC, que reúne agroexportadores como Cargill e Bunge na Argentina, disse que a medida poderia gerar o efeito contrário do que busca o governo argentino: uma retração na venda dos estoques por parte de agricultores e uma diminuição no plantio do cereal na temporada 2021/21.

As empresas pediram para o governo "retroceder a medida, convocar as entidades setoriais da cadeia do milho e buscar uma solução que devolva a seu mercado nacional a transparência que caracteriza a comercialização de todos os grãos".

As associações que representam as cadeias produtivas de milho, soja e trigo --as principais culturas da Argentina-- também disseram que a medida do governo prejudica a confiança no país como fornecedor global de alimentos.

"Esses tipos de ações minam fortemente a confiança e conduzem à retirada imediata dos investimentos, tanto os de curto prazo, como pode ser o plano de semeadura e do pacote tecnológico a ser aplicado, como também os de longo prazo", afirmaram as associações Maizar, Acsoja e Argentrigo em comunicado conjunto.