Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.438,12
    -10,96 (-0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Demanda global de petróleo deve aumentar 2% para novo recorde em 2023, diz IEA

Funcionário segura amostra de petróleo.

Por Noah Browning

LONDRES (Reuters) - A demanda mundial por petróleo aumentará mais de 2%, para um recorde de 101,6 milhões de barris por dia (bpd) em 2023, disse a Agência Internacional de Energia (IEA) nesta quarta-feira, embora os preços altíssimos do petróleo e as previsões econômicas enfraquecidas diminuam as perspectivas futuras.

A IEA, com sede em Paris, também disse em seu relatório mensal que a oferta estava sendo restringida pelas sanções à Rússia por sua invasão da Ucrânia.

"Os temores econômicos persistem, já que várias instituições internacionais divulgaram recentemente perspectivas pessimistas", disse a IEA, prevendo que a demanda aumentaria 2,2 milhões de bpd, ou 2,2%, em 2023 em comparação com 2022 e excederia os níveis pré-pandemia.

"Da mesma forma, aperto de política monetária, o impacto de um dólar em alta e o aumento das taxas de juros sobre o poder de compra das economias emergentes significam que os riscos para nossas perspectivas estão concentrados no lado negativo", afirmou.

As economias da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) seriam responsáveis ​​pela maior parte do crescimento da demanda em 2022, enquanto a China lideraria os ganhos em 2023, à medida que emerge dos lockdowns contra a Covid-19.

As recentes restrições à Covid-19 na China colocam o maior importador de petróleo do mundo no caminho de sua primeira queda na demanda neste século, disse a IEA.

A recuperação geral da demanda e as restrições na oferta por causa das sanções à Rússia e aumentos cautelosos da produção pela Opep+ elevaram os preços do petróleo acima de 139 dólares o barril em março. Nesta quarta-feira, o Brent é negociado perto de 120 dólares o barril.

Mas a IEA disse que a oferta em breve corresponderá à demanda, acrescentando: "Após sete trimestres consecutivos de fortes compras de estoque, a desaceleração do crescimento da demanda e o aumento da oferta mundial de petróleo até o final do ano devem ajudar a reequilibrar os mercados mundiais de petróleo".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos