Mercado fechará em 3 h 36 min
  • BOVESPA

    101.187,53
    -72,22 (-0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.339,63
    -368,09 (-0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,41
    -1,44 (-3,61%)
     
  • OURO

    1.906,20
    +1,00 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    13.105,72
    +28,70 (+0,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    261,98
    -1,44 (-0,55%)
     
  • S&P500

    3.396,26
    -69,13 (-1,99%)
     
  • DOW JONES

    27.665,10
    -670,47 (-2,37%)
     
  • FTSE

    5.808,54
    -51,74 (-0,88%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.513,00
    -150,50 (-1,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6477
    -0,0162 (-0,24%)
     

Demanda das empresas por crédito cai 6% em agosto, diz Serasa Experian

Valor
·1 minuto de leitura

Para economista, incertezas sobre prorrogação do auxílio emergencial e sobre reformas administrativa e tributária deixaram empreendedor à espera A demanda das empresas por crédito caiu 6,0% em agosto na comparação com o mesmo mês do ano passado, de acordo com o indicador da Serasa Experian. Foi o segundo mês consecutivo de queda. Na análise por porte, as micro e pequenas empresas registraram o maior recuo (6,1%), seguidas das médias (4,7%) e grandes (1,5%). Para o economista Luiz Rabi, da Serasa Experian, as incertezas sobre a prorrogação do auxílio emergencial e sobre as reformas administrativa e tributária colocaram os empreendedores em compasso de espera. “Além das dúvidas sobre a prorrogação ou não do auxílio emergencial, o governo também não deu uma sinalização clara sobre as reformas. Essas incertezas deram uma esfriada no ânimo dos empresários, que preferiram aguardar o desenrolar desses temas”, avalia. Por região, o indicador mostra que apenas o Norte apresentou alta, de 0,3%. A maior queda foi verificada no Sudeste (8,1%), seguido de Sul (4,5%) e Nordeste e Centro-Oeste, com recuo de 4,3% cada. Quando considerado o setor, a indústria foi o segmento que apresentou maior recuo, de 7,8%. Comércio teve a menor retração, de 5,6%. “No caso das micro e pequenas empresas o auxílio emergencial foi essencial para a sobrevivência delas e, na dúvida sobre a continuidade, os empreendedores decidiram postergar a busca por crédito. Acredito que esse também foi o sentimento dos médios e grandes empresários”, pondera Rabi. Oswaldo Corneti/ Fotos Públicas