Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.144,87
    -188,88 (-0,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Demanda da China por petróleo pode encolher pela primeira vez desde 2002

FOTO DE ARQUIVO: Atendente reabastece carro em um posto de gasolina Sinopec, em Pequim

Por Muyu Xu

CINGAPURA (Reuters) - A demanda por petróleo na China, o maior consumidor de energia do mundo, pode se contrair pela primeira vez em duas décadas este ano, já que a política contra a Covid-19 de Pequim mantém as pessoas em casa durante os próximos feriados e reduz o consumo de combustível.

Centenas de milhões de chineses que normalmente pegam as estradas e voos domésticos durante o Festival do Meio do Outono--que cai em 10 de setembro deste ano --e os feriados da Golden Week do início de outubro devem ficar em casa para evitar serem presos por lockdowns repentinos para conter a propagação da Covid-19.

Os lockdowns em cidades importantes, como o centro financeiro de Xangai, já prejudicaram a demanda de petróleo da China no segundo trimestre, enquanto a recuperação para o resto do ano deve ser lenta, à medida que a China mantém sua política de zero Covid.

A demanda da China por gasolina, diesel e combustível de aviação pode cair em 380 mil barris por dia (bpd) para 8,09 milhões de bpd em 2022, o que seria a primeira contração desde 2002, disse Sun Jianan, analista da Energy Aspects, chamando-a de um "momento divisor de águas".

Em comparação, a demanda aumentou 450 mil bpd, ou 5,6%, em 2021.

Até agora este ano, a China viu suas importações de petróleo bruto de janeiro a agosto caírem 4,7%, a primeira contração para o período de oito meses desde pelo menos 2004.

"Acreditamos que as importações só aumentarão substancialmente no início do primeiro trimestre de 2023, quando a China começar a fornecer petróleo para o Ano Novo Lunar, em vez de nossa expectativa anterior do quarto trimestre de 2022", disse Sun.

Enquanto as refinarias estatais estão aumentando a produção, as refinarias independentes --que respondem por um quinto das importações de petróleo da China-- estão mantendo as operações baixas em meio a uma investigação fiscal, acrescentou.

ENCURRALADO

No quarto trimestre, espera-se que a demanda por gasolina, diesel e combustível de aviação aumente cerca de 530 mil bpd em relação ao terceiro trimestre para 8,55 milhões de bpd, disse Sun, da Energy Aspect, acrescentando que a demanda pode cair ainda mais se os casos de Covid-19 aumentarem.

Para combustível de aviação, a demanda de cerca de 500 mil bpd é menos da metade dos 1,1 milhão a 1,2 milhão de bpd nos dias pré-pandemia, disse Mukesh Sadhav, chefe de downstream e comércio de petróleo da consultoria Rystad Energy.

"A retomada do tráfego rodoviário e do diesel dependerá mais do crescimento macroeconômico", disse.

Ainda assim, disse Sadhav, o uso de combustível da China pode subir 100 mil bpd este ano para 8,2 milhões de bpd, com expectativa de recuperação da demanda após o Congresso do Partido Comunista em meados de outubro.

"A demanda geral de petróleo deve aumentar em 500 mil bpd em novembro em relação ao ano anterior e 1 milhão de bpd no período de dezembro a fevereiro, com as políticas da China se tornando mais claras", disse ele.

(Por Muyu Xu)