Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    112,70
    +0,49 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.399,51
    +87,11 (+0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Delivery reponde por um terço da receita de bares e restaurantes

young man working for a food delivery service checking with road motorcycle in the city
Relatório é do Euromonitor em parceria com Adyen

(Getty Images)

  • Delivery de comida responde por um terço da receita de bares e restaurantes brasileiros;

  • Brasil é o país com maior participação do segmento nas vendas totais dos estabelecimentos;

  • 40% dos entrevistados pede comida pelo menos uma vez por semana.

O delivery de comida corresponde, no Brasil, por um terço da receita de bares e restaurantes, aponta relatório do Euromonitor, empresa de pesquisa de mercado global, feito em parceria com a plataforma de pagamento Adyen.

De acordo com o estudo, a quantidade de pedidos feitos pelo WhatsApp, internet e telefone fazem com que o Brasil seja o país com maior participação do delivery nas vendas totais dos estabelecimentos, na liderança do ranking que conta com outros 61 países analisados. As informações são da FolhaPress.

Resistências

A pesquisa mostrou que 40% dos entrevistados dizem pedir comida por delivery pelo menos uma vez por semana. Em contrapartida, somente 20% vão a um bar ou restaurante fazer uma refeição semanalmente.

Mesmo assim, o Brasil ainda está longe de ocupar uma posição de liderança no ranking de países que mais processam pedidos pela internet e encontra-se, atualmente, em 23º lugar. Isso mostra que ainda existe muita resistência na realização de pagamentos online – via pix ou links, por exemplo.

No ano passado, o setor de bares e restaurantes faturou R$ 377 bilhões, segundo a pesquisa. A quantia está abaixo do patamar anterior ao da pandemia de Covid-10, de R$ 475 bilhões, faturados em 2019.

Pix bate novo recorde

Apesar do estudo mostrar que os pagamentos online ainda enfrentam obstáculos no Brasil, o Pix se consolida, cada vez mais, como uma alternativa que tem ganhado o gosto do brasileiro.

Na última sexta-feira (6), o sistema de pagamento eletrônico instantâneo bateu um novo recorde de transações, com 73.198.432 transferências em um único dia.

O recorde anterior de 63.504.253 de transferências de recursos em tempo real havia sido alcançado em 7 de abril deste ano. Em dezembro do ano passado foram 50,3 milhões.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos