Mercado fechado

Delegacia Virtual ia ser um app, mas vira projeto de site responsivo

Fidel Forato

Ir para a delegacia registrar boletim de ocorrência - o popular BO - hoje em dia é o caso só em situações específicas, pois há algum tempo a maioria dos problemas e incidentes mais simples podem ser resolvidos de maneira online, como no estado de São Paulo pelo site responsivo da Delegacia Eletrotrônica, criado nos anos 2000. A questão é que, até então, esses sistemas operam de maneira individual, com os padrões de cada estado.

Mas, agora, o Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) quer centralizar todas estas demandas e informações sobre ocorrências em uma única plataforma que permitirá que vítimas de furto, roubo ou acidente de trânsito - sem feridos - de todo o Brasil registrarem o BO de maneira online, mas de forma única.

Para esta plataforma nacional de ocorrências policias, foi anunciado recentemente o desenvolvimento de um protótipo de app apelidado de Delegacia Virtual, para o registro das queixas. Na ocasião, foram compartilhadas inclusive imagens da interface

No entanto, como divulgado pelo Mobile Time, o Serpro está criando não mais um aplicativo para smartphones, mas, sim, um site responsivo - com tecnologia de reconhecimento facial - para o registro de ocorrência virtual, o que deve ser muito mais acessível e prático. Dependendo do caso, não haverá nem a necessidade de que a vítima se desloque até a delegacia mais próxima para confirmar a denúncia.

Protótipo de novo site Delegacia Virtual (Fonte: Serpro)

Por que um site?

O gerente de projetos de segurança pública do Serpro, João Paulo Souza, explica que “ponderamos a frequência de uso que as pessoas teriam de um app e o quanto ele poderia consumir de memória. Concluímos que seria mais prático fazer um site responsivo, para não gastar memória e que fosse fácil de acessar, enxuto, sem precisar ir à loja de aplicativos, contar com a Internet local para baixar. Imagina, a pessoa sofreu um acidente, não tem o app no celular e precisa baixá-lo. Não é prático”.

“Hoje, o reconhecimento facial, é uma tecnologia acessível. Nem todos têm acesso ao coletor digital. É um benefício alto diante de um recurso baixo. Pode acontecer de a câmera não ser muito boa, mas temos recursos para melhorar a imagem”, explica o gerente de projetos de segurança pública do Serpro.

Segundo a equipe de comunicação da Serpro para o CT, "não houve descontinuidade [do app], ao contrário: O Delegacia Virtual foi apresentado como um protótipo e evolui para um produto que já estará disponível no mercado no início de 2020."

Em novo site para BOs, será possível gravar áudio detalhando o acontecimento (Fonte: Serpro)

Como vai funcionar?

O protótipo do site Delegacia Virtual está sendo criado para atender a todo o tipo de ocorrência policial, mas no primeiro momento atenderá três tipo de queixas: perda e extravio, furto e acidente de trânsito sem vítimas. Nestes casos, não há necessidade de o usuário se deslocar até a delegacia mais próxima.

O registro da comunicação da ocorrência virtual contará com suporte de inteligência artificial, aliada a um serviço de localização por satélite, de modo a saber com precisão onde aconteceu o fato, pelo menos na hora da denúncia. 

Depois de acessar o site, o usuário deve digitar seu CPF e tirar uma selfie, que será imediatamente enviada ao reconhecimento facial do Datavalid - serviço também desenvolvido pelo Serpro. Após a validação do usuário, o site irá oferecer como opção de registro a gravação de áudio para reatar o acontecimento. Este áudio será, então, transcrito através de um processamento de linguagem, e o texto deve ser classificado de acordo com a natureza do crime.

Após o registro virtual, o documento é encaminhado para a delegacia, onde um policial dará baixa, homologando a ocorrência e confirmando seu recebimento. Mais uma opção será o registro da ocorrência através de totens distribuídos nas delegacias. Assim, a iniciativa pretende reduzir a burocracia e facilitar a rotina dos policiais.

A Delegacia Virtual está sendo criada junto ao Ministério da Justiça e Segurança Pública. A ideia é que as novas soluções sejam adotadas gradualmente pelas delegacias e que elas estejam integradas entre si e também com os dados do portal.

No futuro, as delegacias poderão escolher os tipos de ocorrências que serão registradas virtualmente.  Além disso, o Serpro deve inserir outras modalidades de ocorrências que poderão ser registradas virtualmente.

Para o registro de casos mais graves, as delegacias deverão estar com um sistema integrado, de modo que o usuário que registrou um caso virtualmente, em um bairro distante, possa prestar esclarecimentos sobre o ocorrido em uma delegacia mais próxima de sua casa, por exemplo.


Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: