Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.429,43
    -17,48 (-0,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Definição do aporte de Furnas a Santo Antônio fica para 6 de junho

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***PORTO VELHO, RR, 27.05.2014 - Vista da usina hidrelétrica de Santo Antônio, no rio Madeira, em Rondônia. (Foto: Lalo de Almeida/Folhapress)
***ARQUIVO***PORTO VELHO, RR, 27.05.2014 - Vista da usina hidrelétrica de Santo Antônio, no rio Madeira, em Rondônia. (Foto: Lalo de Almeida/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Houve quórum parcial na assembleia de debenturistas realizada nesta segunda-feira (30) para avaliar um aporte de Furnas, subsidiária da Eletrobras, à Madeira Energia, controladora da hidrelétrica Santo Antônio, em Rondônia.

Foram feitas chamadas de investidores para duas séries de debêntures. No caso da primeira série, concentrada em grandes investidores, houve quórum e foi dado aval à operação. Era preciso reunir 50% dos investidores.

No entanto, não se formou esse quórum para a segunda série, mais pulverizada, e a definição ficou para nova assembleia, marcada para 6 junho.

O aporte é importante para dar continuidade à capitalização da Eletrobras, que vai diluir a participação do Estado de 72% para 45%. O prospecto que trata da operação determina que Furnas precisa do sinal verde de seus debenturistas até o dia 6; caso contrário, a privatização da estatal será suspensa.

A sinalização, no entanto, é positiva. Como foram reunidos 33% dos investidores da segunda série, mantida essa participação na nova assembleia será possível bater o martelo em relação ao aporte. Na segunda assembleia, o quórum mínimo é de 30%. O Bradesco BBI está conduzindo o processo.

Furnas é sócia da Madeira Energia, com 43% de participação, e anunciou que se prepara para assumir uma capitalização na empresa, que precisa chegar a R$ 1,5 bilhão. Esse aporte vai cobrir os custos da derrota de Santo Antônio em uma corte arbitral.

Para fazer essa capitalização, no entanto, a empresa precisa de aval dos detentores de debêntures emitidas por ela em 2019.

Entre os demais acionistas da Madeira Energia, a Cemig (que tem 8,53% de participação) comunicou que não vai aderir, enquanto os demais, Odebrecht (18,25%), rebatizada de Novonor, o fundo Caixa FIP Amazônia Energia (19,63%) e a SAAG Investimentos (10,53%), com participação da Andrade Gutierrez, não manifestaram interesse em contribuir com o aporte.

Sendo assim, feita essa injeção de capital, Furnas assumirá o controle da empresa, chegando a 70% de participação.

Se Furnas não conseguir cumprir todas as exigências financeiras para fazer frente à sentença da arbitragem, ocorrerá o chamado cross default --a execução de dívidas e garantias de Furnas e Eletrobras. O risco de isso ocorrer, no entanto, é considerado remoto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos