Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.634,29
    -173,70 (-0,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Defesa pede exame de sanidade mental para autor de atentado a creche em Saudades (SC)

·3 minuto de leitura

SAUDADES, SC (FOLHAPRESS) - A defesa de Fabiano Kipper Mai, 18, que matou duas professoras e três crianças e tentou cortar o próprio pescoço em ataque a uma creche em Saudades (SC), pediu à Justiça um exame para avaliar sua sanidade mental.

Se for constantado que o homem estava consciente no momento do crime, ele será julgado pelo Tribunal do Júri. Mas caso o exame aponte que ele não pode responder por seus atos, em vez de uma condenação penal pode ser aplicada uma medida de segurança, com internação para tratamento.

O juiz Caio Lembruber Taborda, do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, decidiu não deferir o pedido ainda porque Fabiano segue internado em estado grave, na UTI, sem previsão de alta. Por isso, não prestou depoimento à polícia até agora.

Segundo o advogado Kleber dos Passos Jardim, nomeado pela Justiça catarinense para o caso, Fabiano era antissocial. "Um menino fechado, conversava pouco, não tinha amigos, e se trancava no quarto com os jogos de tiros e violência", afirmou ao jornal Folha de S.Paulo.

Ele abandonou os estudos durante a pandemia porque sofreria bullying, segundo familiares, e trabalhava na principal empresa de produção têxtil da cidade de 5h às 15h. Foi no intervalo do trabalho, às 9h, que ele foi até a escola executar o ataque. Um dia antes, ele conversou sobre tirar a carteira de motorista com um colega de trabalho e parecia estar bem.

"A gente não sabe a proporção do bullying, o que incomodava ele. Mas o comportamento é típico desses massacres em escolas que infelizmente aconteceram aqui no Brasil e internacionalmente. Está encaminhando para essa linha, ele tem características de ser esse tipo de pessoa", afirmou o advogado.

Já os pais do jovem são descritos pelo defensor como "pessoas muito simples, analfabetos". Eles estão tratando o episódio como uma perda do filho.

"O pai e a mãe estão sem condições, tanto pelas vítimas quanto pelo Fabiano. É como se eles tivessem perdido o filho, seja pela questão prisional, de ficar anos preso, seja pela questão clínica, de que ele pode morrer. Estão tentando aceitar essa situação", disse o defensor.

Kleber dos Passos é de Indaial, cidade próxima a Blumenau, do lado norte do estado de Santa Catarina. Outros advogados haviam sido indicados pela Justiça para assumir o caso, mas, por serem da região de Saudades, se negaram a defender Fabiano.

Na mesma decisão, o magistrado Taborda determinou a quebra de sigilo de dados do suspeito, solicitada pelo promotor de justiça Douglas Dellazari. Os investigadores estão analisando o notebook e o pendrive apreendidos na casa onde ele mora com os pais.

Junto com os depoimentos colhidos pela polícia, é esse material a principal chave para definir o perfil do jovem e entender a motivação para o ataque.

Além do notebook, a polícia apreendeu também o facão e a faca usados no crime, R$ 11 mil em dinheiro, um video game e um jogo da franquia GTA.

O facão é inspirado em uma espada ninja. A arma branca, de fabricação nacional, tinha lâmina de aço inoxidável e cerca de 40 cm. Bombeiros que resgataram Fabiano contaram que ele perguntava quantas vítimas tinha matado.

Taborda acatou, no mesmo despacho, um pedido do Ministério Público e converteu a prisão em flagrante de Fabiano em prisão preventiva.

Fabiano foi autuado por cinco homicídios triplamente qualificados e uma tentativa de homicídio triplamente qualificado, segundo a polícia. O agressor agiu por motivo torpe com uso de meio cruel e utilizou recurso que impossibilitou a defesa das vítimas --contra crianças com menos de 2 anos de idade e professoras indefesas, que estavam em seu horário de trabalho.

A tentativa de homicídio foi a do bebê que ficou ferido durante o ataque e segue internado em Chapecó. Nesta quarta (5), ele recebeu alta da UTI e seu quadro clínico é considerável estável.