Mercado abrirá em 8 h 54 min
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,96
    +0,58 (+0,92%)
     
  • OURO

    1.774,10
    +3,50 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    54.760,20
    -2.079,59 (-3,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.229,10
    -69,85 (-5,38%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.101,96
    -4,19 (-0,01%)
     
  • NIKKEI

    29.123,01
    -562,36 (-1,89%)
     
  • NASDAQ

    13.924,50
    +27,25 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6913
    +0,0156 (+0,23%)
     

Defensora pública da UE dá razão a ONGs contra acordo com Mercosul

·2 minuto de leitura
(2019) Cartaz instalado em feira agrícola na Bélgica repudia o acordo entre União Europeia e Mercosul

A defensora pública da União Europeia (UE), Emily O'Reilly, apoiou nesta sexta-feira (19) a posição de cinco ONGs que criticaram a Comissão Europeia por não ter publicado a tempo um relatório sobre o impacto ambiental do acordo comercial entre o bloco e o Mercosul.

"A UE projeta seus valores através de seus acordos comerciais. Fechar um acordo comercial antes de uma avaliação completa de seu impacto potencial corre o risco de minar esses valores e a capacidade do público para debater os benefícios do acordo", disse a funcionária irlandesa, no fim de uma investigação aberta em julho passado.

"Também corre o risco de fragilizar a capacidade dos parlamentos europeus e nacionais para debater plenamente o acordo comercial", acrescentou.

Portanto, O'Reilly pediu que essas avaliações sejam concluídas antes de qualquer acordo final durante as próximas negociações comerciais.

As organizações não-governamentais ClientEarth, Fern, Veblen Institute, The Nicolas Hulot Foundation e a International Federation for Human Rights exigiram saber o impacto do acordo nos âmbitos econômicos, sociais e ambientais.

"Não concluir a avaliação deste acordo expõe a UE a críticas de que não leva a sério todas as preocupações levantadas", destacou a defensora pública.

Concluído em junho de 2019 após vinte anos de negociações, o acordo comercial da UE com o bloco formado por Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai gerou uma onda de críticas, principalmente do setor agrícola e de ambientalistas.

Negociado pela Comissão Europeia em nome dos países da UE, o tratado não será aprovado definitivamente até que tenha sido aprovado pelos parlamentos de todos os Estados-membros.

No entanto, vários países - como França e Alemanha - demonstraram relutância sobre a aprovação, alegando fundamentalmente dúvidas sobre o compromisso do Brasil na defesa do meio ambiente, especialmente após os incêndios na Amazônia.

Para desbloquear a aprovação, a UE sugeriu em janeiro uma declaração conjunta complementar sobre compromissos com o desenvolvimento sustentável, incluindo a redução do desmatamento na Amazônia.

zap/ahg/es/aa