Mercado abrirá em 48 mins
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,56
    +0,10 (+0,16%)
     
  • OURO

    1.780,70
    +13,90 (+0,79%)
     
  • BTC-USD

    60.852,47
    -1.441,80 (-2,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.354,15
    -26,80 (-1,94%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    7.019,75
    +36,25 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.040,00
    +26,00 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7416
    +0,0205 (+0,31%)
     

Defaults corporativos podem subir para maior nível desde 2009

Kyungji Cho e Irene Garcia Perez
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A emissão global de dívida atingiu um ritmo sem precedentes, o que pode elevar a inadimplência de empresas para o maior nível em mais de uma década.

Essa é a opinião da S&P Global Ratings, segundo a qual a dívida mundial subiu para um recorde de US$ 201 trilhões no fim do ano passado, equivalente a 267% do PIB. Com a maior alavancagem global, também aumenta o risco de default, e a inadimplência de empresas pode subir para o nível mais alto desde 2009, quando houve o impacto da crise financeira global, disse a S&P em relatório na quinta-feira.

Os riscos decorrentes da acumulação de dívida podem ser vistos na recente turbulência do mercado de títulos, com o aumento dos rendimentos dos Treasuries e preocupações com a inflação, que atingiram títulos corporativos no mundo todo. O mercado de crédito permanece volátil, com os spreads de títulos asiáticos em dólar com grau de investimento asiático tendo encolhido até 2 pontos-base na manhã de quinta-feira, depois de no início desta semana atingirem o nível mais alto em quase um mês, segundo um índice Bloomberg Barclays.

A S&P disse que a taxa de default corporativo em 12 meses para empresas com grau especulativo nos EUA pode aumentar para 7% no final de 2021 em relação a 6,6% um ano antes. Na Europa, o indicador subiria de 5,3% para 6,5%, segundo a agência.

Com o maior endividamento corporativo, a saúde de crédito de setores duramente atingidos, como companhias aéreas e lazer, não deve melhorar antes de 2022, de acordo com a S&P. Dito isso, a agência de classificação de risco acredita que a recuperação contínua da economia global poderia evitar uma crise da dívida no curto prazo, apesar da taxa recorde de endividamento em relação ao PIB.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.