Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    47.802,68
    -339,33 (-0,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7797
    -0,0062 (-0,09%)
     

Defasagem do frete atinge 13,9%; mão de obra e combustível devem pressionar em 2021

Gabriel Araujo
·4 minuto de leitura
Caminhões circulando pelo porto de Santos (SP)

Por Gabriel Araujo

SÃO PAULO (Reuters) - A defasagem do valor frete no setor de transportes rodoviários de cargas do Brasil terminou 2020 em 13,9%, mesmo patamar que era verificado no início do ciclo, em meio à pressão advinda principalmente dos custos com veículos e descontos dados durante a pandemia, disse nesta quinta-feira a associação NTC&Logística.

As despesas só não foram maiores porque o diesel, que representa 50% dos custos de um caminhão bitrem, apresentou ligeira queda na comparação anual.

Segundo levantamento da associação, as empresas do setor promoveram reajuste médio negativo de 1,0% no valor do frete ao longo no ano passado, durante o qual a economia brasileira foi fortemente afetada pela pandemia de coronavírus.

Embora a maior parte das companhias pesquisadas (41,4%) tenha mantido estável o valor do frete em 2020, 30,8% delas concederam um desconto médio de 7,9%, justificando o resultado. Uma minoria (27,8%) reajustou o frete para cima, com alta média de 5,3%, de acordo com a NTC&Logística.

Ainda assim, o dado representa uma alteração de panorama frente ao primeiro semestre de 2020, quando mais da metade das empresas diziam conceder descontos face ao impacto da pandemia, o que resultava em um reajuste negativo de 4,7% à época.

Os custos do transporte rodoviário, segundo a associação, aumentaram no ano passado, diante da inflação elevada, apesar de uma pressão menor dos combustíveis e mão de obra, que compõem juntos quase metade das planilhas de custos operacionais.

O Índice Nacional do Custo de Transporte de Carga (INCT) para as cargas fracionadas, que contêm pequenos volumes, apurou alta de 9,43% no ano, enquanto o INCT para cargas lotação --que ocupam toda a capacidade do veículo-- subiu 7,15%.

Os custos com o veículo --que envolvem depreciação, remuneração, IPVA, seguro do casco e manutenção-- subiram 9,5%, enquanto o Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), que influencia os aluguéis pelo setor, avançou 21,1% no ano.

Em relação aos custos com mão de obra, a NTC&Logística apurou uma estabilidade em 2020, apoiada por uma flexibilização do dissídio salarial, enquanto os gastos com combustíveis acumularam baixa de 2,8%.

Apesar disso, o valor do diesel mantém viés de alta desde maio, quando atingiu as mínimas do ano, e já se aproxima de patamares pré-pandemia. Conforme os números da associação, o litro do diesel atinge atualmente 3,778 reais por litro, apenas 1,15% abaixo do patamar de dezembro de 2019 e bem distante da mínima de 3,106 reais/litro verificada em maio do ano passado.

Com isso, as expectativas da NTC&Logística são de que diesel e mão de obra pressionem mais os custos do setor em 2021, segundo o assessor técnico da entidade, Lauro Valdivia, responsável pela pesquisa.

"A expectativa é que o diesel continue subindo. E outro problema que vai pressionar o custo neste ano é o dissídio salarial --que a gente praticamente não teve no ano passado, um sindicato ou outro só que teve reajuste, e aí a gente tem um acumulado de dois anos", disse ele à Reuters.

O presidente da NTC&Logística, Francisco Pelucio, afirmou esperar que o governo reveja os preços dos combustíveis, destacando que seria importante o setor trabalhar com cenário mais previsível.

"Muitas vezes (isso) não reflete a realidade dos altos investimentos que são feitos para continuar abastecendo o Brasil, como tem sido feito ao longo de todos esses anos de atuação", disse Pelucio.

O governo encaminhou ao Congresso na semana passada uma proposta que altera a cobrança do ICMS sobre combustíveis, defendendo que ela daria mais previsibilidade aos custos com o diesel.

SEM CLIMA PARA PARALISAÇÃO

Mesmo com a elevação no preço do diesel, que esteve entre as principais pautas de uma greve de caminhoneiros convocada para o início deste mês, Lauro Valdivia não vê clima para paralisação da categoria no Brasil, afirmando que o valor do frete tem acompanhado a alta do combustível.

"A gente tem clima para paralisação quando o frete não sobe e o diesel sobe... Apesar de o diesel estar numa escalada de subida, o frete vinha acompanhando, porque também vinha subindo, então não tem clima", disse o técnico.

"O problema é quando sobem os teus custos e você não aumenta teu preço. Mas no caso agora, não, o frete tem melhorado ao longo do tempo, pelo menos o pago ao autônomo", acrescentou.

Para o futuro, 49% das empresas consultadas na pesquisa da NTC&Logística acreditam que o valor do frete seguirá estável, patamar semelhante ao visto no levantamento do primeiro semestre de 2020.

Além disso, 31% das companhias veem uma melhora no valor, ante 20% na pesquisa anterior, enquanto 20% delas estimam piora, versus 32% em agosto.