Mercado abrirá em 4 h 11 min
  • BOVESPA

    122.964,01
    +1.054,98 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.655,29
    -211,86 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,32
    +0,04 (+0,06%)
     
  • OURO

    1.830,80
    -5,30 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    56.766,60
    +1.242,87 (+2,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.536,09
    +1.293,42 (+532,97%)
     
  • S&P500

    4.152,10
    -36,33 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.269,16
    -473,66 (-1,36%)
     
  • FTSE

    6.981,47
    +33,48 (+0,48%)
     
  • HANG SENG

    28.231,04
    +217,23 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    28.147,51
    -461,08 (-1,61%)
     
  • NASDAQ

    13.293,75
    -52,25 (-0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3379
    -0,0075 (-0,12%)
     

“Deep nude” | Polícia faz operação contra autor de montagens pornográficas

Felipe Demartini
·2 minuto de leitura

A Polícia Civil realizou na última semana a Operação “Deep Nude”, parte de uma investigação contra um suspeito de criar montagens digitais de mulheres em cenas de nudez e pornografia infantil. A investigação foi iniciada após denúncia realizada por uma moradora da cidade de Imbituba (SC), que levou à identificação de um suspeito em Brasília (DF).

Segundo a vítima, o indivíduo em questão entrava em contato por meio de perfis possivelmente falsos nas redes sociais, encaminhando ofensas e ameaças, além das próprias imagens. A partir de fotos publicadas nos perfis da mulher, ele teria realizado montagens que simulavam cenas íntimas, que foram encaminhadas para familiares e conhecidos dela. A investigação posterior levou a um endereço na cidade de Brasília.

Na operação, foram apreendidos celulares e um computador que pertence ao acusado, que não foi preso. De acordo com a polícia, o indivíduo não conhecia nem tinha nenhuma ligação com a vítima, com as autoridades trabalhando com a ideia de que a escolha foi aleatória, tratando o caso também como um crime de ódio praticado pela internet.

O nome da operação, deep nude, está relacionada a uma tecnologia de inteligência artificial capaz de realizar montagens de forma rápida, seja incluindo o rosto de uma pessoa em um vídeo de terceiros ou realizando análises para “tirar a roupa” de alguém retratada em uma foto. O sistema, claro, se tornou motivo de extorsão e exploração sexual, com a aparência de celebridades ou pessoas comuns sendo colocadas em cenas de sexo que podem ser usadas em casos de extorsão ou ataques pessoais.

Apesar de ter divulgado a operação, a Polícia Civil não deu mais detalhes sobre o teor das ameaças e das imagens criadas pelo acusado, nem indicou motivos para o ato além da ideia de que a vítima teria sido escolhida aleatoriamente, pela internet. Os equipamentos apreendidos, agora, serão periciados em busca de novas evidências, em uma investigação que continua em andamento.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: