Mercado abrirá em 3 h 17 min
  • BOVESPA

    126.003,86
    +951,08 (+0,76%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.897,79
    +629,34 (+1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,90
    -0,01 (-0,01%)
     
  • OURO

    1.798,10
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    37.392,20
    -839,25 (-2,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    886,99
    -28,50 (-3,11%)
     
  • S&P500

    4.422,30
    +10,51 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    35.144,31
    +82,76 (+0,24%)
     
  • FTSE

    6.968,97
    -56,46 (-0,80%)
     
  • HANG SENG

    25.086,43
    -1.105,89 (-4,22%)
     
  • NIKKEI

    27.970,22
    +136,93 (+0,49%)
     
  • NASDAQ

    15.088,75
    -29,00 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1014
    -0,0089 (-0,15%)
     

Decreto argentino facilita negociações para adquirir vacinas da Pfizer

·1 minuto de leitura
Enfermeira com frasco da vacina Pfizer-BioNtech em Hanau, Alemanha

O presidente argentino, Alberto Fernández, assinou nesta sexta-feira (2) um decreto que abre caminho para negociações de fornecimento de vacinas contra a covid-19 da Pfizer e outros laboratórios, informaram fontes do governo.

"O decreto visa a adquirir vacinas pediátricas e ampliar o espectro para o plano de vacinação", explicou Vilma Ibarra, secretária jurídica e técnica da nação, em entrevista coletiva. Assim, procurou-se "conciliar as necessidades dos laboratórios com os interesses da nação", e foi elaborado após negociações difíceis com os laboratórios, indicou a funcionária.

O decreto altera a atual lei que regulamenta a aquisição de vacinas contra a covid. Também cria "um fundo de reparação para responder com indenização no caso de uma pessoa ser prejudicada por uma vacina", explicou Vilma, especificando que o decreto servirá para simplificar as contratações junto a todos os laboratórios, e deve destravar as negociações para o fornecimento de vacinas contra a covid da Pfizer.

"Havia uma impossibilidade de contratação (da Pfizer) diante do marco da lei que o Congresso aprovou", explicou Vilma em entrevista coletiva com a ministra da Saúde, Carla Vizzotti. A partir do decreto, "queremos avançar o quanto antes nos contratos que podem ser assinados", disse.

A ministra da Saúde esclareceu que, "na Argentina, não há nenhuma vacina pediátrica aprovada", embora tenha destacado que vários laboratórios com os quais a Argentina já tem contratos estão realizando estudos envolvendo adolescentes. "Esperamos ter informações para crianças e adolescentes a curto prazo", ressaltou Carla Vizzotti.

A Argentina tem acordos com o laboratório russo Gamaleya, com a Universidade de Oxford, o Serum Institute of India e o Beijing Institut. Nas últimas semanas, acelerou seu plano de vacinação, em que 13 milhões de pessoas receberam uma dose e outros 4,2 milhões, duas doses.

sa/yow/bn/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos