Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.256,36
    -3.411,42 (-2,95%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.310,27
    -841,11 (-1,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,49
    +0,27 (+0,43%)
     
  • OURO

    1.768,20
    -29,70 (-1,65%)
     
  • BTC-USD

    48.209,82
    -894,52 (-1,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    963,59
    -31,07 (-3,12%)
     
  • S&P500

    3.829,34
    -96,09 (-2,45%)
     
  • DOW JONES

    31.402,01
    -559,85 (-1,75%)
     
  • FTSE

    6.651,96
    -7,01 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    12.787,75
    -514,25 (-3,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7379
    +0,1674 (+2,55%)
     

Decreto de 2018 que dá à Telebras controle da rede privativa do governo pode ser revisto, diz ministro

Lisandra Paraguassu
·2 minuto de leitura

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro das Comunicações, Fábio Faria, admitiu nesta terça-feira que o governo federal poderá alterar um decreto de 2018 que trata das políticas públicas de comunicações para permitir que empresas privadas possam administrar a rede privativa de comunicações do governo federal a ser criada como contrapartida ao leilão das bandas de 5G.

O decreto, feito ainda no governo de Michel Temer, previa a criação de uma rede privativa segura para o governo federal, mas colocava como sua operadora a estatal Telebras. O governo federal publicou na sexta-feira passada uma portaria com regras para o leilão 5G mantendo essa previsão porque precisa manter o que está já no decreto de 2018.

Essa determinação incomodou não apenas as operadoras, mas o próprio Ministério da Economia. Do lado das empresas, o entendimento era, segundo uma fonte, que as operadoras terão que fazer a rede para então ela ser administrada pela Telebras, ou que a Telebras vai competir pela rede como uma operadora. Do lado da equipe econômica, o problema era dar uma sobrevida à Telebras quando a intenção do ministro Paulo Guedes é que a estatal seja privatizada o quanto antes.

"A operação poderá ser feita por empresas privadas ou em último caso até pela Telebras. Se o operador for privado, faremos outro decreto, porque o de 2018 diz que a rede segura do governo é a Telebras quem opera", disse Faria em declaração no Palácio do Planalto. "A escolha do operador dessa rede privativa será de critério técnico e preço."

O governo tenta acertar os ponteiros com as operadoras e a Anatel para acelerar os trâmites e garantir o leilão ainda este semestre, como já anunciou o ministro. Nesta terça-feira, Faria parte para uma visita a cinco países - Suécia, Finlândia, China, Coreia do Sul e Japão - para conhecer empresas fornecedoras de equipamentos 5G que devem ser as responsáveis pelo material usado para a montagem da rede pelas operadoras no Brasil.

Além do ministro e do Secretário de Assuntos Estratégicos da Presidência, Almirante Flávio Rocha, representantes do Itamaraty e do Ministério da Defesa, e os ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) Bruno Dantas, Vital do Rêgo e Walton Alencar participam da comitiva.

"O leilão do 5G tem que passar pelo TCU, que tem até 150 dias para apreciar e retornar o processo para a Anatel", disse o ministro. "Mas o tribunal me adiantou que poderemos reduzir para 50 dias o prazo de apreciação."