Mercado abrirá em 6 h 41 min
  • BOVESPA

    100.763,60
    +2.091,34 (+2,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.294,83
    +553,33 (+1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,06
    +1,49 (+1,36%)
     
  • OURO

    1.828,60
    +3,80 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    20.825,29
    -375,17 (-1,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    453,18
    -8,61 (-1,87%)
     
  • S&P500

    3.900,11
    -11,63 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    31.438,26
    -62,42 (-0,20%)
     
  • FTSE

    7.258,32
    +49,51 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    22.146,77
    -82,75 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    27.024,27
    +153,00 (+0,57%)
     
  • NASDAQ

    12.092,50
    +52,00 (+0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5405
    -0,0036 (-0,06%)
     

Decolar é multada em R$ 2,5 milhões por priorizar consumidores estrangeiros

A empresa de pacotes de turismo Decolar.com foi multada na terça-feira (21) em R$ 2,5 milhões pela Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon). Segundo o colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, o órgão afirma que a companhia praticava geopricing, ou seja, diferenciação de preço de acomodações e negativa de oferta de pacotes em função da localização geográfica do cliente.

Para a Senacon, os valores cobrados pelos passagens aéreas e acomodações de hotéis variavam em função da localidade onde a compra estaria sendo feita. De acordo com a entidade, a Decolar oferecia preços mais vantajosos a consumidores estrangeiros em detrimento de clientes brasileiros. A prática é abusiva e representa violação ao Código de Defesa do Consumidor.

A disputa entre a Decolar e o governo começou em 2018. Na época, a empresa recebeu uma multa de R$ 7,5 milhões. A Decolar recorreu, alegando que jamais exerceu a prática e disse que as legislações tributárias são diferentes nos países, o que provocaria a diferença de preços.

A Senacon deu parcial provimento ao recurso apenas para reduzir o valor da multa para R$ 2,5 milhões. Para isso, considerou dois atenuantes: ela era ré primária e, ao longo da ação, aderiu à plataforma consumidor.gov.br para resolver conflitos dessa natureza.

Decolar realizaria geopricing, segundo a Senacon; prática traz preços diferentes em função da localização dos clientes (Imagem: Ashim D’Silva/Unsplash)
Decolar realizaria geopricing, segundo a Senacon; prática traz preços diferentes em função da localização dos clientes (Imagem: Ashim D’Silva/Unsplash)

Na decisão, o Secretário Nacional do Consumidor, Rodrigo Roca, destacou que as infrações violam o mais básico direito do consumidor, que é o direito à informação. “É a essência do contrato e assegura a transparência na relação de consumo. Por isso, a informação deve ser completa, gratuita e útil, de forma que o consumidor compreenda o que está adquirindo ou contratando, para o exercício pleno da liberdade de escolha”, observou.

A decisão é definitiva e não cabe mais recurso. O Canaltech procurou a empresa, em busca de um posicionamento, e a assessoria de imprensa respondeu: “A Decolar não foi notificada a respeito dessa decisão e reitera que não pratica geopricing.”

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos