Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.512,38
    +480,38 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.801,68
    +163,28 (+0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,97
    +0,44 (+0,51%)
     
  • OURO

    1.790,20
    +0,50 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    23.909,85
    -195,09 (-0,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    569,15
    -2,76 (-0,48%)
     
  • S&P500

    4.305,20
    +8,06 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.152,01
    +239,61 (+0,71%)
     
  • FTSE

    7.536,06
    +26,91 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    19.830,52
    -210,38 (-1,05%)
     
  • NIKKEI

    28.868,91
    -2,89 (-0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.645,25
    -13,00 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2320
    +0,0535 (+1,03%)
     

Declínio da renda familiar diminui frequência a shoppings, mostra pesquisa

Perda de renda familiar reduz ida aos shoppings, mostra pesquisa. Foto: Getty Images.
Perda de renda familiar reduz ida aos shoppings, mostra pesquisa. Foto: Getty Images.
  • Pesquisa aponta que proporção de consumidores que vão semanalmente a shoppings sofreu uma queda de cinco pontos percentuais entre 2019 e 2022;

  • Uma parcela do público semanal passou a ter uma frequência mensal, cuja proporção subiu de 12% para 14%;

  • Em 2019, a renda familiar desses consumidores era de cerca de R$ 11 mil, enquanto a atual chega a R$ 9,5 mil.

Levantamento realizado pela Fronte, empresa de pesquisa e análise de mercado, aponta que a redução média de mil reais da renda familiar brasileira vem afetando a rotina de frequência de clientes nos shopping centers.

A pesquisa demonstra que a porcentagem de consumidores que vão semanalmente aos centros de compras sofreu uma queda de cinco pontos percentuais neste ano, quando comparado aos número de 2019, antes da pandemia de Covid-19. Ou seja, a proporção de ida ao shopping toda semana foi de 53% para 48% do clientes.

Leia também:

Uma parcela desse público passou a ter uma frequência mensal, cuja proporção subiu de 12% para 14%. Enquanto isso, a regularidade ocasional, com intervalos acima de 30 dias, aumentou de 16% para 19%. Já o percentual de visitas ao shopping center pela primeira vez hesitou de 2% para 3%.

O levantamento também mostra que em 2019 a renda familiar desses consumidores era de cerca de R$ 11 mil, enquanto a atual chega a R$ 9,5 mil, ou seja, um tombo de 13,4%.

Enquanto isso, houve uma queda nominal no gasto médio desse público, que foi de R$ 352 para R$ 344.

“O desemprego subiu muito e quem conseguiu recuperar o emprego tem conseguido com uma renda menor. A gente vê a renda das famílias caindo, mesmo com o desemprego caindo. Então, eu tenho um valor menor para gastar, o que é sentido pelos shoppings”, afirmou o diretor da Fronte, Fabio Caldas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos