Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    47.629,31
    -9.318,50 (-16,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Declínio cognitivo: por que o cérebro de algumas pessoas envelhece menos?

·2 min de leitura

Um estudo de Harvard comparou o cérebro de pessoas de diferentes faixas etárias para entender como acontece o declínio cognitivo no decorrer do envelhecimento. Além de jovens e adultos, os pesquisadores se concentraram em idosos que demonstram atividade cerebral semelhante à de indivíduos mais novos.

Os pesquisadores se concentraram em duas regiões do cérebro: o giro fusiforme (responsável pelo reconhecimento de rostos) e o giro para-hipocampal (relacionado com ao reconhecimento de cenários). O estudo investigou atividade cerebral funcional durante as fases de aprendizagem e recuperação de uma tarefa de memória de reconhecimento.

O trabalho contou com a participação de 41 adultos jovens, 23 adultos e 17 idosos que passaram por uma ressonância magnética funcional (fMRI) enquanto completavam uma tarefa de memória associativa. Durante a fase de aprendizagem da tarefa, os participantes viram uma série de 80 imagens (um rosto ou uma cena ao ar livre) e pares de palavras, e foram solicitados a julgar se a palavra e a imagem estavam semanticamente relacionadas.

(Imagem: Fakurian Design/Unsplash)
(Imagem: Fakurian Design/Unsplash)

Após 10 minutos, os participantes viram novamente 80 pares de imagens e palavras, algumas repetidas e algumas reorganizadas em novos pares, e então tiveram que indicar se já tinham visto o par anteriormente.

Esses idosos "especiais" que participaram tiveram um desempenho melhor do que os adultos e foram tão bem quanto os adultos jovens no teste de memória de reconhecimento, além de mostrar maior diferenciação neural em comparação com idosos "normais". Os autores sugerem que esses resultados podem depender da neuroplasticidade individual (definida como a capacidade do sistema nervoso modificar sua estrutura e função em decorrência dos padrões de experiência).

O próximo passo do estudo é descobrir se esse público idoso tem um funcionamento cognitivo básico melhor do que a maioria das pessoas ou se há algum tipo de estilo de vida ou fator ambiental que lhes permita manter a saúde cerebral intacta.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos