Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.809,55
    +453,49 (+1,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

'Decisão do STF não anula fala de Pazuello na CPI', diz Renan, que quer ouvi-lo sobre terceiros

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA - Relator da CPI da Covid, Renan Calheiros (MDB-AL) afirmou ao GLOBO que a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de conceder habeas corpus para que o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello fique em silêncio "não anula" a fala do militar à comissão parlamentar de inquérito. Segundo Renan, a CPI pleiteará que Pazuello deponha sobre a atuação de outras pessoas no governo, sem que produza provas contra si mesmo.

— A decisão do STF não anula a fala. O que queremos dele (Pazuello) é que, como importante testemunha, diga o que observou, nos outros, como ministro da Saúde e secretário executivo. Nos outros que participaram do ministério e das conversações — disse Renan.

— Com certeza, ao longo dos nossos trabalhos, alguém vai citar o ex-ministro. Mas não queremos que ele o faça, que ele se autoincrimine. Mas que dê testemunho do que presenciou ou não presenciou da conduta de terceiros — concluiu.

O presidente da CPI, Omar Aziz (MDB-AM), criticou a decisão do STF. Para ele, a possibilidade de Pazuello permanecer calado na comissão atrapalha as investigações:

— O Supremo tomou uma decisão para que o Senado abrisse a CPI. E agora um ministro do Supremo impede a gente de investigar — reclamou Aziz.

O vice-presidente do colegiado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), disse que a CPI vai respeitar a decisão da Corte, e que buscará outros meios para investigar o ex-ministro.

— Recebemos a decisão do STF com serenidade e tranquilidade. Somos aqueles que decisões judiciais, mesmo quando contraditam a nossa vontade, devem ser respeitadas. É assim que funciona uma democracia. O senhor Eduardo Pazuello, lamentavelmente, se esconde atrás de um habeas corpus. Respeitaremos o seu direito. Ele tenha a certeza que não será apenas o seu depoimento o meio que buscaremos para obter a verdade - disse Randolfe, em vídeo divulgado nas redes sociais.