Mercado abrirá em 7 h 19 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,51
    +0,24 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.870,70
    +3,10 (+0,17%)
     
  • BTC-USD

    45.236,04
    +2.294,55 (+5,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.261,76
    +63,85 (+5,33%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.554,07
    +359,98 (+1,28%)
     
  • NIKKEI

    28.462,46
    +637,63 (+2,29%)
     
  • NASDAQ

    13.376,50
    +73,00 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4173
    +0,0074 (+0,12%)
     

Decisão judicial que reduziu tempo de concessão coloca leilão da Cedae em risco

Gabriel Sabóia
·1 minuto de leitura

RIO - Depois da geosmina, que lançou uma enxurrada de queixas de consumidores sobre a qualidade da água distribuída pela Estação de Tratamento do Guandu, uma liminar suspendeu ontem o leilão para a venda da Cedae, previsto para daqui a duas semanas. O governo do estado recorreu da decisão judicial, que determinou que a concessão da companhia seja por 25 anos. No entanto, o edital lançado no fim do ano passado prevê prazo de 35 anos. Especialistas dizem que, com a mudança, o pregão do próximo dia 30 pode ir água abaixo.

A Secretaria estadual da Casa Civil informou que 12 empresas nacionais e internacionais formalizaram interesse em participar da concorrência e realizaram mais de 3.500 visitas técnicas às sedes da Cedae espalhadas pelo estado. O agendamento de vistorias já foi encerrado, e, por isso, novos grupos não devem se manifestar. A entrega das propostas vai até o próximo dia 27. De acordo com o edital, as vencedoras vão investir cerca de R$ 30 bilhões para praticamente universalizar os serviços de coleta e tratamento de esgoto, além do fornecimento de água, em 20 anos. Também estão no edital medidas de recuperação do meio ambiente.

Especialistas ouvidos pelo GLOBO explicam que o volume de investimentos previsto no edital de licitação é diretamente atrelado ao tempo de concessão. Uma redução de dez anos no tempo de operação, portanto, inviabilizaria esse contrato. O economista Cláudio Frischtak, da Inter B. Consultoria, por exemplo, afirma que a liminar pode inviabilizar a concessão da Cedae e que, ainda que seja derrubada, a medida mostra às empresas que estão concorrendo que há uma insegurança jurídica.

LEIA A ÍNTEGRA DA MATÉRIA EXCLUSIVA PARA ASSINANTES