Decisão da Cemig sobre concessão fica para amanhã

O Conselho de Administração da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) deixou para a última hora a decisão a respeito da renovação antecipada de concessões de ativos de geração e transmissão de energia. No início da tarde desta segunda-feira, o conselho se reuniu para decidir a posição da estatal, mas, de acordo com a assessoria da empresa, não houve consenso e a posição da companhia será definida apenas nesta terça-feira.

Este é o prazo final estipulado pelo governo federal, por meio da Medida Provisória 579, para que as empresas do setor assinem os contratos para renovação das concessões. O objetivo da renovação antecipada é a redução do preço da energia, por meio de cortes e reduções de encargos embutidos nas contas como a Reserva Global de Reversão (RGR), que será retirada dos cálculos, e a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), que será reduzida em 25% na cobrança para o consumidor.

Em 15 de outubro, a Cemig manifestou a intenção, "com ressalvas", de renovar as concessões de 18 hidrelétricas e dos cerca de 5 mil quilômetros de linhas de transmissão cujos contratos se encerram até 2017. Mas a empresa adiantou não ter interesse em renovar contratos com base na novas regras para as usinas de São Simão, Jaguara e Miranda. Juntas, elas produzem 2,5 mil megawatts, mais de dois terços da capacidade instalada de 6,9 mil megawatts de suas 65 usinas - 59 hidrelétricas, três termelétricas e três eólicas.

Para a direção da estatal, a Cemig tem direito de renovar as concessões dessas três unidades por mais 20 anos pelos termos atuais, pois nenhuma delas foi renovada e os contratos preveem uma renovação. Além disso, a empresa contesta também o valor definido pelo governo federal para indenização pelos ativos de transmissão, de R$ 285 milhões. Nos cálculos da Cemig, a indenização seria de R$ 1 bilhão. "Ambos têm material para briga", avaliou a advogada Letícia Queiroz de Andrade, especialista na área, referindo-se à possibilidade de a questão se transformar em uma batalha judicial.

Segundo a advogada, a legislação prevê que o governo federal, como poder concedente, tem a "palavra final" sobre a renovação de quaisquer concessões de sua alçada, mas a medida provisória, mesmo aprovada pelo Congresso, também não poderia se sobrepor a contratos vigentes. "A Cemig tem alternativas jurídicas. Uma lei não pode alterar um ato jurídico perfeito, e um contrato é um ato jurídico perfeito", observou. Mas ela salientou também que uma possível disputa jurídica vai depender do entendimento de cada parte envolvida e que o ideal seria um acordo ainda no âmbito administrativo.

cotações recentes

 
Cotações recentes
Símbolo Preço Variação % Var 
Seus tickers vistos mais recentemente aparecerão aqui automaticamente se você digitou um ticker no campo "Inserir símbolo/empresa" na parte inferior deste módulo.
É necessário permitir os cookies do seu navegador para ver as cotações mais recentes.
 
Entre para ver as cotações nos seus portfólios.

Resumo do Mercado

  • Moedas
    Moedas
    NomePreçoVariação% Variação
    3,2645+0,0348+1,08%
    USDBRL=X
    3,6549+0,0107+0,29%
    EURBRL=X
    0,8928+0,0069+0,78%
    USDEUR=X
  • Commodities
    Commodities
    NomePreçoVariação% Variação

Destaques do Mercado

  • Líderes em Volume
    Líderes em Volume
    NomePreçoVariação% Variação
    12,55+0,02+0,16%
    PETR4.SA
    3,58+0,22+6,55%
    USIM5.SA
    3,67+0,05+1,38%
    GOAU4.SA
    15,07-0,34-2,21%
    VALE5.SA
    8,58+0,08+0,94%
    ITSA4.SA
  • Altas %
    Altas %
    NomePreçoVariação% Variação
    1,67+0,37+28,46%
    PSVM11.SA
    37,50+7,50+25,00%
    CBEE3.SA
    5,00+0,94+23,15%
    ENGI3.SA
    3,59+0,59+19,67%
    OIBR3.SA
    2,37+0,27+12,86%
    OIBR4.SA
  • Baixas %
    Baixas %
    NomePreçoVariação% Variação
    33,11-6,76-16,96%
    BAZA3.SA
    2,20-0,21-8,71%
    MWET4.SA
    1,79-0,17-8,67%
    CTSA4.SA
    2,25-0,19-7,79%
    HAGA4.SA
    2,53-0,16-5,95%
    VIVR3.SA