Mercado fechará em 2 h 29 min

Debate TV Cultura: Boulos afirma que pediu apreensão de celular de Russomanno

Anita Efraim
·4 minuto de leitura
Celso Russomanno está em terceiro lugar e disputa vaga no segundo turno com Boulos (Foto: Reprodução/TV Cultura)
Celso Russomanno está em terceiro lugar e disputa vaga no segundo turno com Boulos (Foto: Reprodução/TV Cultura)

Acontece nesta quinta-feira (12) o segundo debate entre as maiores redes de televisão aberta com candidatos à Prefeitura de São Paulo. Por conta do coronavírus, as Eleições 2020 tem uma série de novas regras nesse tipo de programa, tradicional na política brasileira.

As acusações entre Guilherme Boulos (PSOL) e Celso Russomanno (Republicanos), que começou na última quarta-feira, 11, continuou no debate da TV Cultura. Segundo Boulos, ele pediu a apreensão do celular de Russomanno para investigar ligações do candidato do Republicanos com um comunicador bolsonarista.

Na quarta-feira, durante o debate realizado por UOL e Folha, Russomanno acusou Boulos de ter contratado empresas fantasmas para produzir conteúdo para campanhas eleitorais. O único conteúdo sobre o assunto foi divulgado durante o debate, mas Russomanno já tinha todas as informações sobre o tema.

O candidato do PSOL negou e apresentou filmes que já foram feitos por uma das empresas. A Justiça determinou que o material fosse tirado do ar.

Ao enfrentar Russomanno nesta quinta-feira, Boulos questionou se o oponente quer “trazer o gabinete do ódio para São Paulo”, em referência às campanhas de difamação produzidas por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“No último debate eu te perguntei a respeito de duas empresas que foram, uma delas abertas recentemente, que eram empresas fantasmas. O senhor não me respondeu e saiu de fininho. O senhor está usando empresas fantasmas?”, perguntou Russomanno.

“Russomanno, me admira muito sua cara de pau aqui nesse debate. Ontem você fez uma acusação de um suposto jornalista que foi preso pelo inquérito das fake news, você se aliou com ele, a Justiça mandou tirar do ar e vc vem aqui falar disso? Você está querendo trazer fake news. Estamos pedindo apreensão de seu celular, do suposto jornalista que te ajuda, averiguar suas contas e queremos ver quem é que financia fake news em São Paulo”, respondeu. Oswaldo Eustáqui, bolsonarista que divulgou o conteúdo, foi preso em junho, investigado de organizar manifestações antidemocráticas.

Boulos ainda disse que sente orgulho de andar com pessoas sem terra e sem teto, em referência ao MTST e concluiu: “Só não ando com sem vergonha, que nem você. Você quer repetir 2018, fazer eleição marcada por fake news, aqui não”.

Corrida pela Prefeitura de São Paulo teve poucos debates

Acostumado a debates que antecedem as votações na televisão, o público que vai às urnas no domingo (15) para eleger prefeito e vereadores em São Paulo assiste nesta quinta apenas o segundo debate com transmissão televisiva nas maiores redes da cidade.

Globo, SBT, RedeTV e Record TV anunciaram ao longo da campanha, que começou oficialmente em 15 de setembro com a confirmação das candidaturas, que não iriam realizar o debate pelo alto número de candidatos e a pandemia do coronavírus.

Leia também

A Band, por sua vez, fez debate ainda no começo do outubro, quando as campanhas engatavam. Por conta disso, o tom foi muito mais de apresentação ao público do que o embate de propostas em si. O cenário mudou de figura nesta última semana, com debates transmitidos online realizados por Estadão/Faap e Folha de S.Paulo/UOL.

No primeiro, realizado por Estadão e Faap, faculdade da capital paulista, Celso Russomanno (Republicanos), em franca queda nas pesquisas, foi alvo principal de seus adversários — com destaque para Márcio França (PSB) e Guilherme Boulos (PSOL). Bruno Covas (PSDB), candidato à reeleição, esteve em tranquilidade maior no debate que levou ainda Arthur Do Val (Patriota) e Jilmar Tatto (PT).

Já no debate promovido por Folha e o portal UOL estiveram presentes apenas os quatro mais bem colocados na última pesquisa Datafolha divulgada. A pesquisa em si foi tema de bastante polêmica após sofrer censura da campanha de Russomanno. Durante o debate, o candidato do Republicanos rompeu com as regras, acessou seu celular e divulgou uma notícia falsa sobre Boulos.

Para esta noite, além dos seis primeiros colocados na pesquisa e já citados, estarão presente Marina Helou (Rede), Joice Hasselmann (PSL), Orlando Silva (PC do B) e Andrea Matarazzo (PSD).

O debate está sendo transmitido pelas contas oficiais no Facebook, Twitter, Dailymotion e YouTube da emissora, e também pela Rádio Cultura FM 103,3.