Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.228,62
    -1.013,02 (-0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.618,56
    -839,46 (-1,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,01
    +0,65 (+1,24%)
     
  • OURO

    1.839,70
    +9,80 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    36.680,29
    +238,55 (+0,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    724,42
    +9,23 (+1,29%)
     
  • S&P500

    3.803,36
    +35,11 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    30.974,13
    +159,87 (+0,52%)
     
  • FTSE

    6.712,95
    -7,70 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.642,28
    +779,51 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    28.633,46
    +391,25 (+1,39%)
     
  • NASDAQ

    12.985,25
    +183,00 (+1,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4832
    +0,0879 (+1,37%)
     

Debate sobre avanço da inflação nos EUA enfrenta teste em 2021

Ben Holland, Katia Dmitrieva e Christopher Condon
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Ainda são minoria, mas investidores e economistas que projetam um avanço da inflação nos Estados Unidos - talvez sério - começam o ano com nova munição para seus argumentos.As vacinas oferecem a perspectiva do fim das restrições causadas pela pandemia que podem trazer os consumidores de volta. É o que os economistas chamam de demanda reprimida, um termo agora aplicado literalmente. O governo Biden provavelmente aumentará os gastos das famílias com mais ajuda financeira, depois que os democratas ganharam o controle do Senado. E, como pano de fundo, o dólar perde força e os preços das commodities têm subido continuamente há meses.Tudo isso elevou indicadores da inflação projetada no mercado títulos. A chamada taxa de equilíbrio dos títulos de 10 anos do Tesouro dos EUA ultrapassou 2% na última semana, para o maior nível em mais de dois anos.Ainda assim, a visão predominante entre economistas - incluindo, de forma crucial, a do Federal Reserve - é que levará anos antes que os EUA tenham que se preocupar com a inflação.

Dados a serem divulgados na quarta-feira devem mostrar que os preços ao consumidor subiram 1,3% em 2020. Com custos em alta para produtores, quase todos preveem inflação mais alta neste ano. Mas, mesmo até o final de 2022, o indicador mais seguido pelo Fed não ultrapassará a meta de 2%, segundo pesquisas com economistas. E autoridades do Fed querem que a inflação fique acima desse nível por um tempo antes de aumentar as taxas de juros.Os céticos sobre um avanço da inflação apontam para o mercado de trabalho ainda deprimido pelo vírus, tendências mais profundas na demografia e tecnologia que mantêm os preços baixos e o risco de que políticos retirem o apoio à economia muito cedo, como fizeram no passado recente.

Por outro lado, os gastos fiscais têm sido o motor da recuperação da crise de coronavírus, e o presidente eleito Joe Biden - que promete fazer mais - tem um caminho mais aberto para levar seus planos ao Congresso depois que os democratas conquistaram os dois assentos no Senado nas eleições de segundo turno em 5 de janeiro na Geórgia.

“A agenda de Biden está de volta, o que significa ainda mais expansão fiscal no curto prazo”, diz Aneta Markowska, economista-chefe do Jefferies. Ela espera que os rendimentos dos títulos do Tesouro de 10 anos, que ultrapassaram 1% na semana passada pela primeira vez desde a chegada da pandemia em meados de março, atinjam 2% no final do ano.

Enquanto isso, o Fed, que não pode fazer muito para acelerar a economia no momento, continua no comando dos freios - e espera não ter que pisá-los tão cedo. Depois de ficar consistentemente abaixo da meta, a nova política do Fed é permitir que a inflação ultrapasse esse nível e permaneça nesse patamar - em uma média de 2% ao longo do tempo - antes de aumentar os juros para esfriar a economia.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.